Antigos hotéis viram prédios residenciais no Rio de Janeiro

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

31/07/2021 11h07 — em Economia

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Antigos hotéis começam a mudar de cara -e função- no Rio de Janeiro. Com a demanda por hospedagens fragilizada nos últimos anos, estabelecimentos tradicionais da capital fluminense tornaram-se alvos do mercado imobiliário.

Na prática, construtoras e investidores buscam transformar os espaços em prédios residenciais ou de escritórios. A mudança é chamada de reconversão ou retrofit.

Com isso, quem antes queria ser hóspede pode virar dono de um imóvel nos edifícios.

Até julho, três projetos que visam a transformação de antigos hotéis em prédios residenciais foram licenciados junto à prefeitura carioca. A informação foi confirmada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Inovação e Simplificação.

Nos próximos meses, o número tende a aumentar, diz Alfredo Lopes, presidente do HotéisRIO (Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município do Rio de Janeiro). Ele prevê que o número de estabelecimentos nesse processo pode chegar a 20.

A estimativa está baseada no interesse relatado por empresários, diz Lopes. O HotéisRIO representa cerca de 380 empresas do setor, incluindo pousadas e albergues.

Segundo Lopes, a expansão da rede hoteleira, seguida pela queda na demanda por hospedagens, ajuda a explicar a procura por esse negócio.

Em 2009, o Rio tinha cerca de 32 mil quartos de hotéis. Com eventos como a Copa do Mundo, em 2014, e Jogos Olímpicos, em 2016, o número quase dobrou na última década, chegando a encostar nos 62 mil, estima o dirigente.

O problema é que, entre 2014 e 2016, o Brasil embarcou em uma severa crise econômica. A retomada pós-recessão não aconteceu, e a chegada da pandemia, em 2020, prejudicou ainda mais o setor.

Hoje, o número de quartos de hotéis na cidade está em torno de 48 mil, aponta Lopes. Segundo ele, 80 estabelecimentos suspenderam as operações em abril do ano passado, e 12 fecharam de vez.

"Houve falta de investimento em turismo após as Olimpíadas. Veio a crise econômica, depois a pandemia. O setor foi brutalmente abalado", diz. "É natural que, agora, o mercado tente se equilibrar", completa.

Um dos hotéis já em fase de reconversão é o Glória, primeiro cinco estrelas do país. O Opportunity Fundo de Investimento Imobiliário quer transformar o prédio em residencial com 256 unidades.

O número inclui up gardens (jardins privativos) de um a dois quartos, com 138 a 314 metros quadrados, além de apartamentos de dois a quatro quartos, com 70 a 229 metros quadrados.

"A ideia é atender quem busca espaços mais compactos e pessoas que desejam plantas mais generosas. O contemporâneo estará presente sem deixar de lado as características icônicas do hotel", comenta Jomar Monnerat, gestor do Opportunity, em nota.

Inaugurado em 1922, o Glória está fechado há anos por um impasse. Em 2020, o Opportunity adquiriu o edifício do Mubadala, fundo de Abu Dhabi, que o havia recebido como acerto de dívidas do grupo EBX, de Eike Batista.

Eike havia comprado o hotel em 2008 para oferecer hospedagem de luxo para a Copa. As obras pararam em 2013.

Para analistas, a localização dos estabelecimentos serve de estímulo para investidores.

"Hotéis costumam ser construídos em bons lugares, onde terrenos são escassos. Ao comprar um prédio assim, o investidor foge do risco da construção. Só entra com o retrofit. A obra é feita em tempo reduzido e com custo menor", diz Sylvio Pinheiro, da G+P Soluções, que atua na gestão de projetos e construções.

Outro projeto de reconversão é o do Hotel Flamengo Palace, fundado nos anos 1970. Daniel Afonso, diretor da D2J Construtora, responsável pela obra, confirma que a localização pesou na escolha do prédio, próximo à Praia do Flamengo, zona sul do Rio.

A empresa quer transformá-lo em um residencial com 42 unidades de 36 ou 56 metros quadrados, que devem ficar prontas até abril de 2022.

Afonso prevê investir R$ 25 milhões. O rooftop e parte das unidades têm vista para o Pão de Açúcar, um dos cartões-postais cariocas.

O Hotel Paysandu, também no Flamengo, é outro na lista. A construtora Piimo o comprou em 2020. O projeto terá 48 unidades com 28 a 80 metros quadrados. A entrega está prevista para o primeiro trimestre de 2023.

"O hotel estava fechado havia quatro anos, em estágio avançado de deterioração. É muito bem localizado", diz Marcos Saceanu, da Piimo.

"Estamos devolvendo o prédio à sociedade, um projeto de apartamentos pequenos, tendência difundida em São Paulo e que começa a tomar corpo no Rio", diz o empresário.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Economia