Compartilhe este texto

Saúde é principal problema do país; Lula derrapa em segurança e corrupção, segundo Datafolha

Por Folha de São Paulo

08/12/2023 11h31 — em
Brasil


Foto: Ricardo Stuckert (PR)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A saúde voltou a ser líder isolada do ranking de preocupações dos brasileiros entre as áreas que são consideradas sob responsabilidade do governo federal. O setor é o principal problema do país para 23% dos eleitores.

Foi o que aferiu o Datafolha em sua nova pesquisa sobre o tema, realizada na terça passada (5). O instituto ouviu 2.004 pessoas em 135 cidades, e o levantamento tem uma margem de erro de dois pontos para mais ou menos.

Em setembro, diziam estar mais preocupados com a saúde 17% dos entrevistados. O índice subiu agora seis pontos percentuais, descolando-se da segurança pública, que tinha os mesmos 17% há três meses e agora registra 10% de menções como problema principal.

Agora, a educação, que oscilou de 11% para 10%, empata com a violência na listagem.

Paradoxalmente o governo não pode comemorar muito a queda acentuada da preocupação com a segurança como obra sua —o Ministério da Justiça, do agora ministro indicado ao Supremo Flávio Dino, é o responsável pelo setor na área federal.

Segundo o Datafolha, 50% avaliam como ruim e péssima a gestão Lula (PT) na segurança, ante 29% que consideram regular e 20%, ótima ou boa. Na mesma altura do governo de Jair Bolsonaro (PL), em 2019, 27% aprovavam o trabalho do Planalto no setor.

Outros temas que preocupam o brasileiro são a corrupção (8%), a fome/miséria (7%), o desemprego (7%), a economia (6%) e a gestão do governo (4%). Empatados em 2% estão políticas públicas, área social, e inflação, com o meio ambiente marcando 1%.

Há bastante homogeneidade de opinião nos estratos socioeconômicos, com uma exceção notável na educação, que é a principal preocupação entre os mais ricos (23% dos que ganham mais de 10 salários mínimos) e instruídos (16% de quem tem diploma de curso superior). O Brasil patina na área, como mostrou o mais recente exame internacional Pisa.

Historicamente, a saúde é um foco de preocupações do brasileiro, tendo liderado o ranking do Datafolha durante todo o governo Bolsonaro.

Ali, a pandemia da Covid-19, que deixou até aqui mais de 707 mil mortos, exacerbou as percepções: em dezembro de 2020, no auge da crise, 30% apontavam o setor como prioritário.

O trabalho do governo Lula na saúde não é bem avaliado, mesmo tendo anulado o negacionismo científico que marcou a turbulenta era Bolsonaro no setor. Para 49%, ele é ruim ou péssimo, ante 31% que o consideram regular e 20%, ótimo ou bom. Neste mesmo momento do mandato, o antecessor marcava 15% de aprovação no setor.

O cenário mostrado pelo Datafolha não é muito confortável para o governo Lula em termos de avaliação dos 14 setores considerados obrigações federais, mas o Planalto pode celebrar que em 11 deles a aprovação é maior do que a registrada pelo antecessor e rival político em dezembro de 2019.

O petista é reprovado em uma área em que se costuma se orgulhar de suas iniciativas: o combate à fome e à miséria. Dos ouvidos, 40% acham que o trabalho é ruim ou péssimo, 31%, regular, e 28%, ótimo ou bom.

Já seus números sobre o combate à corrupção serão combustível para seus adversários, que costumam associar as gestões petistas a malfeitos, como os escândalos do mensalão e do petrolão. Aprovam o trabalho do governo Lula na área só 15%, ante 23% que dizem achá-lo regular e 59%, que o reprovam.

Os melhores desempenhos do governo surgem em áreas que eram relegadas ao segundo plano sob Bolsonaro. Esporte, mesmo com o loteamento da pasta da área para o centrão, tem 42% de menções positivas. Cultura, cujo ministério foi recriado, 43%, e turismo marca 42% de ótimo/bom.

Em duas áreas, o petista perdeu aprovação ante o Bolsonaro de dezembro de 2019: os 27% que aprovavam o antecessor na segurança pública e o combate à corrupção (29%). Na crucial área da economia, eles empatam (Lula com 24% de aprovação, Bolsonaro, com 25%).

 


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Brasil

+ Brasil