Siga o Portal do Holanda

Brasil

Haddad repete acusação equivocada de Geraldo Azevedo, que acusou Mourão de tortura

Publicado

em

RIO - Durante a sabatina no Jornal O GLOBO , o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, repetiu acusação equivocada feita no sábado pelo músico Geraldo Azevedo, em show em Jacobina, na Bahia. Azevedo disse que foi preso duas vezes na ditadura e que foi torturado. Segundo o artista, o general Hamilton Mourão era um dos torturadores. O cantor reconheceu o erro e pediu desculpas pelo "transtorno causado". 

Azevedo acusou o general Hamilton Mourão, candidato a vice de Jair Bolsonaro, de ser um dos torturados no período em que foi sequestrado e torturado, em 1969.

- Olha, é uma coisa indignante, cara. Eu fui preso duas vezes na ditadura, fui torturado. Você não sabe o que é tortura, não. Esse Mourão era um dos torturadores lá - declarou o artista, durante show no interior da Bahia.

O senador Lindbergh Farias (PT) compartilhou nesta terça-feira um vídeo do momento em que o artista relata a tortura que sofreu e cita Mourão. "Geraldo Azevedo critica apoio de Bolsonaro a torturadores", diz o post do petista.

No ano de 1969, no entanto, Mourão tinha 16 anos.

— Esse cara bebeu (Azevedo). Observe que, em 1969, eu estava no Colégio Militar, em Porto Alegre, no 1º ano do 2º grau — disse Mourão ao GLOBO.

Consulta à Comissão da Verdade não mostra citação alguma a Mourão, que entrou para a Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) em 1972.

Durante a sabatina, Haddad disse que o adversário Jair Bolsonaro era "figura desimportante no meio militar", mas representava "o que sobrou dos porões (da ditadura)". O petista citou Geraldo Azevedo e chamou Mourão de torturador. Mais adiante na entrevista, voltou ao tema e destacou que teme uma gestão presidencial "com um vice torturador".

— (Bolsonaro) É figura desimportante no meio militar. Mas o Mourão, por exemplo, ele próprio foi torturador. Geraldo Azevedo declarou até em um show que foi pessoalmente torturado pelo Mourão — frisou Haddad.

Em nota, a assessoria de imprensa de Geraldo Azevedo destacou que o cantor "foi uma das vítimas da ditadura militar instaurada em 1964", sequestrado e torturado em 1969 e 1974. Nesta terça-feira, o cantor reconheceu que o candidato a vice não estava entre os responsáveis pela violência.

"Geraldo Azevedo se desculpa pelo transtorno causado por seu equívoco e reafirma sua opinião de que não há espaço, no Brasil de hoje, para a volta de um regime que tem a tortura como política de Estado e que cerceia as liberdades individuais e de imprensa", diz a nota.

Na nota, o artista ainda lamentou " a eminência (sic) da eleição de um candidato que idolatra torturador e que diz que 'o grande erro (da ditadura) foi torturar e não matar'".

Confrontado com a negativa de Mourão, após a sabatina, Haddad indicou que Geraldo Azevedo fosse ouvido sobre o caso.

— Entrevista o Geraldo Azevedo — respondeu Haddad.

A ‘parada’ do vice-governador com o prefeito Arthur

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.


Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.