Dr. Jairinho tentou impedir que o corpo de Henry fosse ao IML

Por Portal do Holanda

08/04/2021 10h30 — em Brasil

Executivo afirma que Dr. Jairinho pediu agilidade para emissão de atestado de óbito de Henry -Foto: Reprodução

Um novo depoimento dado à polícia indica que o vereador Dr. Jairinho tentou que o corpo de seu enteado, o menino Henry Borel, não fosse encaminhado ao Instituto Médico Legal.

Segundo o G1 Rio de Janeiro, a testemunha é um alto executivo da área da saúde. Em depoimento prestado na tarde de quarta-feira (7), ele afirma que recebeu mensagens do vereador durante a madrugada do dia 8 março, pouco mais de uma hora depois do casal chegar com o menino ao Hospital Barra D'Or.

O pedido do vereador era para que o corpo de Henry não fosse encaminhado ao IML. Em uma das mensagens, Dr. Jairinho diz que precisava de ‘um favor".

Em depoimento, o executivo afirmou que o vereador ligou quatro vezes pra ele e que, na última tentativa, exatamente às 7h18, ele atendeu. Disse que na ligação, Jairinho falou da morte do enteado em tom calmo e tranquilo, sem demonstrar qualquer emoção.

O executivo disse que o vereador falou pra ele: 'aconteceu uma tragédia'.

Menos de dois minutos depois, eles desligaram e Jairinho voltou a mandar mensagem. Deu o nome do menino e emendou: “agiliza. Ou eu agilizo o óbito. E a gente vira essa página hoje”.

O executivo contou em depoimento que sem saber dos detalhes do ocorrido, ligou para o hospital para entender o que estava acontecendo e pedir que o corpo do menino fosse liberado com brevidade por causa do sofrimento da mãe, relatado pelo vereador.

Três minutos mais tarde, às 7h25, Jairinho reiterou: “Vê se alguém dá o atestado. Pra gente levar o corpinho. Virar essa página”.

O executivo entrou em contato com um diretor médico do hospital e recebeu a explicação que, diante do caso, não seria possível dar um atestado de óbito sem que o corpo fosse examinado no IML, como pretendia Jairinho.

"A criança chegou em PCR - parada cardiorrespiratória -, apresentando equimoses pelo corpo".

O executivo respondeu a mensagem minutos depois dizendo: “óbito sem causa definida. Pais separados. Pai deseja que leve o corpo ao IML. Padrasto é médico e quer que dê o atestado.”

Depois da explicação, o vereador ainda insistiu em novas tentativas de telefonema e mensagens. Chegou a apelar, dizendo que era um pedido da mãe. Mas o hospital não forneceu o atestado de óbito.

À polícia, o executivo contou que não atendeu mais as ligações do vereador por ter ficado completamente desconfortável com o pedido, com a situação e com o comportamento do Dr. Jairinho.

Jairinho e Monique disseram à polícia que levaram o menino ao hospital depois que o encontraram caído no quarto, com os olhos revirados e dificuldade de respirar.

Henry foi encontrado morto na madrugada de 8 de março no apartamento do casal. O vereador e Monique Medeiros, mãe do menino, foram presos nesta quinta-feira (8).


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Brasil