Bastidores da Política - Omar Aziz acertou ao negar o pedido de prisão de Fábio Wajngarten?


Omar Aziz acertou ao negar o pedido de prisão de Fábio Wajngarten?

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

12/05/2021 20h35 — em Bastidores da Política

  • Há divergência em torno da decisão do presidente da Comissão da Covid, Omar Aziz, de rejeitar o pedido de prisão de Waingarten -  que mentiu e, portanto, delinquiu. Ao  faltar com a verdade, afrontou a CPI. Mas Omar, diferentemente da maioria de seus colegas na CPI, pensa, avalia cenários …

Foi uma surpresa o depoimento evasivo de Fábio Waingarten, ex-secretário de comunicação do governo Bolsonaro à CPI da Covid.  Era esperado outra coisa, depois da entrevista concedida em abril  à revista Veja, na qual apontou omissões e incompetência da pasta da Saúde e comprometeu seriamente a gestão do então Ministro  Eduardo Pazuello.   

Fábio agora foi tomado por uma repentina amnésia. Mentiu. Omitiu. Mas se  deixou, apesar disso,  um rastro de provas contra Bolsonaro no caso das negociações em torno  da compra de vacinas da Pfizer, conseguiu o que ninguém esperava: dividir a Comissão Parlamentar criada para apurar  os responsáveis pelo "descuido" que resultou na morte de mais de 400 mil pessoas no Brasil.

Os Sete Cavaleiros do Apocalipse - senadores de oposição ou independentes, temidos pelo governo Bolsonaro, não se entenderam quanto a um pedido de prisão de Waingarten. E expuseram publicamente suas diferenças.

Se esse fato não representa uma cisão séria no grupo, nada impede que governistas dêem a interpretação que acham pertinente: ganharam um round e devem apostar no próximo, pois sabem onde está o ponto fraco da comissão: seu relator, que não esconde o sangue nos olhos e, portanto, se tornou  um alvo fácil a ser desestabilizado.

Há divergência em torno da decisão do presidente da  Comissão, Omar Aziz, de rejeitar o pedido de prisão de Waingarten -  que mentiu e, portanto, delinquiu. Ao  faltar com a  verdade, afrontou a CPI. Mas Omar pensa com o cérebro, avalia cenários e, já de posse dos áudios da entrevista do ex-secretário que a revista Veja divulgou nesta quarta-feira,  provavelmente deve reconvocá-lo.

Omar é o mais politico dos políticos que conheço. Sabe fazer costura em tecidos rotos, e  sabe conversar. Sabe  também que Renan Calheiros precisa fazer uma autocrítica do papel que foi chamado a desempenhar na comissão. Renan é o cara que vai fazer o gol e não pode se  indispor com os senadores, mesmo os governistas que apostam que ele instável e o ponto fraco da comissão.

A noite para os Sete do Apocalipse vai ser longa. Mas ao retornarem ao plenário do Senado na próxima sessão, estarão unidos. O País aposta neles, o fim do morticínio e a punição dos culpados depende deles. Bolsonaro que se cuide, ou mande outra vez um de seus filhos tentar bagunçar a reunião da comissão, como fez nesta quarta Flavinho, que partiu para a baixaria. "Vagabundo" é quem mesmo ?

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.