Bastidores da Política - O dia em que assassinatos na rede hospitalar de Manaus foram revelados


O dia em que assassinatos na rede hospitalar de Manaus foram revelados

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

25/01/2021 19h55 — em Bastidores da Política

Esta segunda-feira vai entrar para a história como o dia em que a 'eutanásia'  foi revelada como antídoto para a incapacidade de curar uma doença na rede pública de saúde de Manaus. O dia em que permitir que a morte se apoderasse de um corpo deixou de ser assassinato. O dia que a asfixia por falta oxigênio levou as lágrimas  uma médica e nossos olhos reaprenderam a chorar.

O dia que nossa humanidade foi testada. O dia no qual nossas esperanças desvaneceram,  porque a vida perdeu seu valor, porque a morte ou a vida são  seletivas na rede hospitalar, porque nunca, como agora, nos sentimos tão sós, tão abandonados, tão entregues à própria sorte.

Quem disse que eutanásia é produto da omissão ou da falta de socorro?  Eutanásia é a morte assistida e indolor de um paciente que não quer viver. O que a médica chamou eufemisticamente de eutanásia, eu chamo de assassinato.

VIOLÊNCIA, FOME E ESTUPRO

Estou em casa como tantos outros que podem estar em casa, alimentado e trabalhando. Mas em torno de minha casa, na favela, há fome e choro, briga por pão, estupro e violência.  E há doentes por Covid, que não morrerão por '"eutanásia", nem pelo virus, mas pela fome. E ninguém faz nada. Absolutamente nada.

Há um silêncio cúmplice que incomoda - silêncio dos que podem fazer mais e nada fazem.

Se o prefeito da cidade, David Almeida, não sabe fazer uma lista de pessoas vacinadas contra a Covid 19, como exigem os órgãos de controle, não está preparado para governar.

Se o governador do Estado. Wilson Lima,  deixa faltar oxigênio e cria uma.crise humanitária, não está preparado para o exercício do poder.

E o que nós  fazemos? Nada.  Nos tornamos cúmplices dessa tragédia que leva nossos pais, nossos filhos, nossos melhores amigos. Ficarmos inertes até quando? Ou optamos morrer pelo vírus ?

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.