Carlinhos Brown, Larissa Luz e Criolo exaltam música do gueto em show em Salvador

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

27/11/2021 17h04 — em Arte e Cultura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um show para exaltar a música feita por pretos e celebrar o Mês da Consciência Negra movimentou esta sexta (26) em Salvador. “Pra viver e sentir o poder da música negra brasileira. Um passeio por ritmos e canções que vão te balançar. Sim, você, pode dançar”, anunciou o músico baiano antes de, ao lado de Larissa Luz, entoar “Alguém me Avisou”, de Dona Ivonne Lara.

Brown e Larissa foram os músicos anfitriões com Rafa Dias, do grupo Àttøøxxá, que receberam no palco da Concha Acústica do Teatro Castro Alves outros tantos nomes no espetáculo Encontros Tropicais: Frequências do Gueto, que reuniu um público de cerca de 1.500 pessoas na capital baiana.

O time de artistas que subiu ao palco foi potente e capaz de fazer uma performance bonita e emocionante. O rapper Criolo, DJ Dan Dan, a atriz e cantora Jéssica Ellen, Banda Didá e talentos novos também periféricos como WD, participante do The Voice Brasil, a rapper Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada revisitaram décadas de sonoridade com samba, soul, rap, pagode e funk.

“É muito importante contextualizar que os guetos devolvem ao Brasil talvez o que o Brasil não esperava”, diz Carlinhos Brown em entrevista. E assim foi por pouco mais de duas horas desses artistas no palco, um show de representatividade e temas importantes exaltados.

“A música brasileira é essencialmente negra, então é muito difícil fazer um apanhado disso tudo em um resumo de duas horas”, afirmou Larissa Luz. “Mas eu curti os recortes porque de uma forma geral a gente trouxe algo bem relevante. Acho que são momentos importantes politicamente e musicalmente da nossa história, do povo negro brasileiro.”

Foram três blocos temáticos apresentados pela atriz Nara Gil, que deu vida à DJ Afroblack, em referência à personagem DJ Black Boy do seriado brasileiro da década de 1980 “Armação Ilimitada”.

O samba foi o ponto de partida. Carlinhos Brown e Larissa Luz cantaram temas clássicos do ritmo bem brasileiro e de origem marginalizada. “Alguém me Avisou” e “Sonho Meu”, de Dona Ivone, “Enredo do Meu Samba”, de Jorge Aragão, e “Zé do Caroço”, de Leci Brandão foram algumas das músicas que ganharam releitura.

A segunda parte do show migrou para a black music dos anos 1970 e 1980, com o soul, a disco e sons eletrônicos que tomaram as pistas de dança. Cassiano, Tim Maia e Jorge Ben Jor foram foram lembrados. Neste momento do show, a convidada Jéssica Ellen participou com Larissa Luz em “Nem Vem que Não Tem”, emendando versos de “Coleção”, de Cassiano.

Brown ao cantar “A Namorada” trouxe o debate das relações homoafetivas. “O casamento homoafetivo é realidade. E Você não precisa ser gay para ser a favor do outro”, diz. “A namorada tem namorada, mas o namorado também tem namorado”, ressaltou. Na sequeência, deu espaço na sequência para o jovem cantor WD, participante do The Voice Brasil. Com sua música “Eu Sou”, ele passa a mensagem de amor próprio, especialmente para pessoas negras.

“Além de uma releitura desses clássicos, o show traz discurso, corpo, vivência e traz a periferia para o centro, a história do gueto para o centro”, afirma Larissa Luz.

Já o terceiro e último bloco desembarcou nos anos 1990 e trouxe temas mais atuais, dando espaço a uma série de ritmos: funk carioca, pagode, rap, trap e afrobeats. Surgiram no cenário os convidados Criolo, DJ Dan Dan, Banda Didá e novos talentos como Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada, que foram convidados por Devassa na série “Criatividade Tropical: Abre as Portas para o Gueto” para uma música gravada com Iza, a “Na Atividade”.

O trio Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada soltaram a voz em “Rap do Silva” e Rap da Felicidade”, além de “Na Atividade”, música em parceria com Iza e fruto da série “Criatividade Tropical: Abre as Portas para o Gueto”, projeto também da Devassa.

A iniciativa de um grande show é vista com ânimo pelos artistas. “Toda a ação que é na direção de exaltar o poder, a história, a cultura do povo preto e elevar a autoestima desse povo é libertador e ao mesmo tempo coloca o nosso povo em outro lugar”, diz Larissa Luz em entrevista ao Lineup no camarim após o show.

“Dá uma sensação de aquilombamento, de união, de pertencimento. A consciência da potência que a gente é quando a gente se junta me emociona muito. Não existe outro caminho para a gente vencer isso tudo a não ser se juntando”, afirma a cantora baiana, mas que vive em São Paulo.

A rapper Stefanie se emocionou ao falar da ocasião em entrevista antes do evento. “Todos reunidos aqui mostra que a gente tem força, que a gente não desistiu e que não vai desistir. Eu sou uma mulher preta, mãe e que canta rap. Eu passei muita coisa para chegar até aqui e eu consegui.”

“Isso é muito imporatnte. Esse tipo de evento já acontece nas favelas, nas periferias. Mas com essa visibilidade, com apoio de uma grande marca, ainda é raro”, afirma Jéssica Ellen.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Arte e Cultura