Compartilhe este texto

Transportadoras de combustíveis ameaçam paralisação por ataques de piratas dos rios no Amazonas

Por Portal do Holanda

30/06/2022 14h50 — em
Amazonas


Foto: Divulgação Sindarma

Manaus/AM - Embarcações que transportam combustíveis no Amazonas podem parar as atividades por 10 dias, caso não consigam garantir segurança contra "piratas dos rios" que saqueiam as navegações. Somente este ano o prejuízo já ultrapassou os R$ 20 milhões.

O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial do Amazonas (Sindarma), encaminhou um ofício nesta quarta-feira (29), para as distribuidoras de combustível que operam no estado, solicitando apoio e auxílio para reduzir os prejuízos provocados pelos criminosos.

No documento, as empresas pontuam duas principais reivindicações que atualmente ficam a cargo exclusivamente das transportadoras:

O primeiro é o pagamento das escoltas de segurança que acompanham as embarcações, que custam quase o dobro do valor das tripulações dos barcos.

A segunda reivindicação é a contratação e pagamento dos seguros das cargas pelas próprias distribuidoras, uma vez que as seguradoras estão se recusando a fazer novos acordos diretamente com as empresas contra roubos e assaltos por conta da grande incidência de ocorrências registradas nos rios amazonenses nos últimos anos.

Ainda de acordo com o documento, caso não seja possível o acordo entre distribuidoras e transportadoras, a categoria poderá paralisar suas atividades em 10 dias, por falta de condições de continuar operando.

Após o envio do documento, duas das cinco maiores distribuidoras de combustível que atuam no Amazonas, já se manifestaram disponíveis para negociar com o Sindarma concordando com o pagamento das escoltas e dos seguros de suas cargas.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Amazonas

+ Amazonas