Tapauá é exemplo do que acontece nos municípios do Estado

Por

11/06/2014 12h58 — em Amazonas

O município  de Tapauá, (distante  449 km de Manaus), representa o mesmo cenário, que a maioria das cidades do interior do Estado está vivenciando, de acordo com o deputado estadual Marcelo Ramos (PSB), que visitou o local, no último final de semana.

Entre as situações que presenciou, duas especificamente chamaram atenção do parlamentar: no posto de saúde não havia ninguém para atender, a não ser o vigia e ao procurar o atendimento odontológico, descobriu que há dois anos, a rede pública só faz extração dentária porque o compressor da máquina da cadeira do dentista queimou e ninguém trocou. Na opinião dele, esse é um dos exemplos que configura o Brasil como o “país dos banguelas”. “Isso é uma covardia com a boca da população. O Ministério da Saúde têm recursos específicos para isso, porém o descaso faz com que as prefeituras nãos se habilitem a receber esse dinheiro”, avaliou.

O parlamentar também visitou o hospital da cidade, que passou 16 anos em construção, que de acordo com ele, hoje é bem estruturado. Porém, uma caixa muito grande na portaria despertou sua curiosidade.  Ao questionar a recepcionista, ficou sabendo que eram mamógrafos, que estão no lugar há três meses,  que ainda não foram instalados  porque não existem profissionais que realizem esse trabalho.

Ramos também descobriu que existem aparelhos para fazer ultrassom, mas que não há médicos habilitados para usá-los. “Esses exemplos são frutos de uma saúde sem planejamento, e que demonstram a falência da política  de saúde, que privilegia o processo exacerbado de terceirização e apadrinhamento de cargos estratégicos e não  a qualidade do gestor, que acaba gerando absurdos como de  equipamentos caros, que não tem profissionais para usá-los”, criticou.