Compartilhe este texto

Bolsonaro veta homenagem a Nise da Silveira, pioneira da psiquiatria humanizada no Brasil

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

25/05/2022 10h07 — em
Variedades



MATHEUS TEIXEIRA

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PL) vetou nesta quarta-feira (25) a inscrição da psiquiatra Nise da Silveira no livro dos Heróis e Heroínas da Pátria.

A médica começou a atuar na área na década de 1940 e se notabilizou por ser uma das pioneiras do movimento contra métodos agressivos que eram aplicados à época a pacientes com transtornos mentais. Em 1936, foi presa após ser denunciada por envolvimento com líderes do comunismo no Brasil.

Ela morreu em 1999 e a homenagem havia sido aprovada pelo Senado em abril deste ano. Para vetá-la, o chefe do Executivo alegou que "não é possível avaliar a envergadura dos feitos da médica Nise Magalhães da Silveira e o impacto destes no desenvolvimento da Nação, a despeito de sua contribuição para a área da terapia ocupacional".

Silveira ficou conhecida por ser uma crítica de tratamentos como o eletrochoque, lobotomia, camisa de força e o isolamento em hospícios. Defensora de métodos mais humanizados, inseriu a interação com a arte, especialmente a pintura, como forma de tratar transtornos mentais.

Muitas obras de seus pacientes ainda estão em exposições pelo país e já chegaram a ser expostas no Museu de Arte Moderna de São Paulo.

Seu trabalho ganhou projeção mundial e teve o trabalho conhecido por psiquiatras de renome internacional, como o suíço Carl Jung.

Bolsonaro, no entanto, discordou da iniciativa do Senado de homenageá-la. "Ademais, prioriza-se que personalidades da história do país sejam homenageadas em âmbito nacional, desde que a homenagem não seja inspirada por ideais dissonantes das projeções do estado democrático", disse o presidente.

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) foi a relatora do projeto no Senado e fez uma defesa da trajetória da psiquiatra. "A doutora Nise foi uma extraordinária psiquiatra, que implantou tratamentos humanizados para transtornos mentais e criou um novo momento em relação a esses tratamentos na nossa sociedade brasileira. Estar no livro de Heróis e Heroínas da Pátria é, sobretudo, um reconhecimento ao trabalho que essa mulher fez para o Brasil", afirmou.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Variedades

+ Variedades