Raul Zaidan - Direito de defesa

Raul Zaidan - Direito de defesa

Por

28/03/2012 12h12 — em Amazonas

Em Nota encaminhada ao Portal do Holanda, o  Chefe da Casa Civil, Raul Zaidan, diz que não assinou a manifestação do Conselho de Administração da AFEAM "por não ter posicionamento prudente sobre o resultado da  auditoria"   realizada   pela HLB - AUDLINK, Auditores & Consultores, que   aponta riscos em operações da agência.


Ele diz que fez consulta ao Procurador Geral do Estado sobre  dúvidas pertinentes ao caso, para somente depois  tomar uma decisão e que a manifestação do Conselho da AFEAM ( de publicar o resultado da auditoria e o balanço - grifo nosso)   " deve ter levado em consideração o fato de ser uma decisão colegiada.   Logo, sendo aprovada pela maioria, minha posição não influenciará no resultado", diz a nota.Veja na íntegra:

Senhor Holanda,

 

A respeito de sua matéria publicada sob o título “Conselho fiscal da Afeam aprova balanço sem ler. Prejuízo pode chegar a R$ 14 milhões”, visando recompor a verdade, tenho as seguintes considerações:

 

- De fato, os “analistas” consultados por esse Portal têm razão. Não se assina nada sem ler, muito menos sem analisar profundamente a questão. Aliás, Bierce já dizia que "Prudente: um homem que acredita em dez por cento daquilo que ouve, num terço daquilo que lê e em metade daquilo que vê". Pautado nestes conceitos, informo a este Portal que não assinei a manifestação do Conselho de Administração publicada pela AFEAM - conforme cópia anexa - por ainda não ter posicionamento prudente sobre o resultado da supracitada auditoria, motivo pelo qual, fiz consulta ao Procurador Geral do Estado sobre algumas dúvidas pertinentes ao caso, para somente depois, tomar um decisão. Todavia, a decisão em publicar a manifestação do Conselho da AFEAM deve ter levado em consideração o fato de ser uma decisão colegiada, logo, sendo aprovada pela maioria, minha posição não influenciará no resultado.

Raul Zaidan

 

LEIA A MATÉRIA
Conselho de administração da Afeam aprova balanço sem ler. Prejuízo pode chegar a R$ 14 milhões
 

NULL

+ Amazonas