Advogados alegam que albanesa estuprada provocou Robinho e amigos com dança

Por Portal do Holanda

20/10/2020 11h41 — em Esportes

Robinho durante treino no Santos -Foto: Ivan Storti/Santos FC

Novos trechos da sentença condenatória de Robinho mostram que a defesa tentou alegar que a jovem estuprada teria “incentivado” o jogador e mais cinco amigos dele ao dançar de forma sensual com eles.

No documento divulgado pelo o Uol, os advogados se baseiam no depoimento do músico Jairo Chagas para firmar o argumento: "Ela os provocou, continuou a dançar com um e depois com o outro e continuava a lhes tocar o pênis”, declara o músico.

Contudo, a manobra não foi aceita pela juíza Mariolina Panasiti, que fez questão de anunciar o veredito usando o mesmo trecho da fala de Chagas, no qual ele admite que a albanesa foi sim estuprada: “Mas seis é demais”.

Jairo chegou até a comentar sobre o caso com uma amiga condenando a atitude dos amigos. Em conversas interceptadas pela polícia italiana entre ele com Robinho, o músico chega a confirmar que viu Robinho colocar o pênis na boca da mulher que estava completamente bêbada.

Panasiti também fez questão de frisar na sentença que uma dança sensual não é um convite e muito menos consentimento para o sexo, sobretudo quando se está sobre efeito de álcool: "Não está claro como uma dança, mesmo sensual, possa induzir a um consentimento antecipado para haver relações sexuais contemporaneamente com várias pessoas, em um camarim não frequentado, em cima de um banquinho. Comportamentos que até o próprio Jairo — que pretendia proteger e defender seus amigos — definiu nada menos do que excessivo ('mas seis são demais!)”, escreveu.

Robinho recorreu do veredito em aguarda o julgamento em segunda instância, caso haja condenação, ele pode recorrer por mais uma vez. Ricardo Falco, amigo dele também foi condenado há 9 anos de prisão, juntamente com o atleta.