Black Friday aposta em promoção de carne no ano da inflação na comida

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

25/11/2021 19h07 — em Brasil

BRASÍLIA, DF, E SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na Black Friday do ano em que a fome bateu à porta de milhões de lares brasileiros, os supermercados e varejistas de alimentos em geral decidiram aumentar as promoções de comida. Em especial, das carnes, artigo cada vez mais escasso no prato nacional.

Participando pela primeira vez da Black Friday, o frigorífico Marfrig, dono da marca Bassi, está oferecendo cupons promocionais de R$ 30 e R$ 50 nas compras pelo aplicativo Bassi.Marfrig. Na quarta (24) e quinta-feira (25), o desconto é de R$ 30 para quem digitar "Quero30" antes de finalizar a compra. Entre os dias 26 e 28, o cupom deve ser o "Quero50".

No aplicativo da marca de carnes nobres, estão desde a picanha de R$ 149,90 o quilo até o hambúrguer de costela por R$ 21,90 (400g), passando pela maminha de R$ 62,90 o quilo. Os cupons também valem para a linha plant based, de carnes vegetais, com porções de 250g de almôndega ou carne moída a R$ 18,90.

As entregas atendem apenas a cidade de São Paulo. A Marfrig espera que, com a promoção, as vendas desta semana sejam 120% maiores que a da semana passada.

As promoções dos varejistas procuram compensar em parte a inflação galopante observada nos alimentos nos últimos 12 meses. Segundo dados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), alimentos e bebidas acumulam alta de 11,71% até outubro. Ao longo de 2021, a disparada chegou a ser ainda maior, especialmente para os mais pobres.

Levantamento feito pela FGV (Fundação Getulio Vargas) para o jornal Folha de S.Paulo em outubro, com base nos dados do IPC (Índice de Preços ao Consumidor), apontou a variação de preços de alimentos de alto consumo entre os mais pobres, como arroz, feijão, frango, macarrão, linguiça e carne bovina, nos 12 meses anteriores. A inflação média no período foi de 21,5%.

O Carrefour, dono de uma rede de 480 pontos em 13 estados e no Distrito Federal, decidiu estender a promoção da Black Friday e congelar até 10 de janeiro os preços de produtos de marca própria, que são, em média, 30% mais baratos que os das marcas tradicionais. A ação começou em 4 de novembro.

"Entendemos que era importante ir além da promoção neste momento, em que as famílias estão sendo afetadas pela queda do rendimento e aumento do custo de vida", diz Daniel Milagres, diretor de marketing do Carrefour Brasil, grupo que também é dono do atacarejo Atacadão.

Entre os itens da marca Carrefour com preço congelado estão as proteínas animais (ovos e carnes de frango, bovina e suína), arroz, feijão, macarrão, frutas, legumes, vegetais, leite, pães, além de fraldas e itens de higiene pessoal. Os produtos que integram a ação estão sinalizados com um selo exclusivo. Nesta sexta (26), todos os hipermercados da rede vão funcionar das 7h até a meia-noite.

O principal rival do Carrefour, o grupo Pão de Açúcar, presente e 12 estados e no Distrito Federal, com cerca de 270 lojas, também reforçou a oferta de proteína na Black Friday. No principal mercado do grupo, o paulista, as linguiças da marca Seara Gourmet estão saindo com 50% de desconto e, a peixaria, com 30%. O quilo de costela pode ser encontrado a R$ 22,90 (contra R$ 32,90 do preço original) e o quilo da coxa e sobrecoxa congelada de frango a R$ 7,90.

No site e aplicativo do Pão de Açúcar, as ofertas estão valendo desde as 18h de quarta-feira (24). Quem paga pelo PIX tem frete grátis nas compras acima de R$ 99 (apenas no caso de produtos vendidos e entregues pela rede, não vale marketplace). Nas lojas físicas, as ofertas valem nesta quinta (25) e sexta-feira (26). Na capital paulista, apenas na sexta, algumas lojas como as da Oscar Freire e da Apiacás ficarão abertas até meia-noite.

No Assaí, bandeira de atacarejo que pertence aos mesmos donos do Pão de Açúcar, o quilo do frango inteiro congelado sai por R$ 8,90 no estado de São Paulo. Todas as 197 lojas do grupo no país, em 22 estados e no Distrito Federal, vão abrir às 6h da manhã (uma hora antes do convencional) e prometem ofertas mais agressivas para o dia.

Mas a principal tacada da bandeira de atacarejo é a distribuição de R$ 1 milhão em compras grátis. Serão 10 mil sorteios de compras de até R$ 1.000 –o que exceder este valor será pago pelo cliente. Para concorrer, o consumidor precisa fazer compras acima de R$ 100 em qualquer unidade da rede e informar o seu CPF ou CNPJ. Os vencedores são premiados por sorteio digital, na hora de passarem pelo caixa. Independente do sorteio, também haverá um bônus de R$ 15 para quem contratar o cartão da rede, o Passaí.

O também atacarejo Grupo Mateus, dono de 193 lojas Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país, decidiu dividir as promoções em diferentes dias da semana para não causar ruptura (falta do produto na gôndola). "A quarta-feira [24] foi dedicada a todos os perecíveis, o que envolve açougue, peixaria e hortifrúti", diz Hudton Bandeira, gerente de marketing do Grupo Mateus.

A Black Friday é uma das três principais datas para o grupo, ao lado de Natal e do aniversário da rede. "O ecommerce ainda é pequeno, apenas 1% do nosso faturamento, mas deve crescer", diz Bandeira. O grupo, que tem ações em bolsa, registrou receita bruta de R$ 12,4 bilhões no ano passado.

Esta é a última Black Friday da bandeira Extra de hipermercados, que pertencia ao Grupo Pão de Açúcar e cujos pontos foram vendidos para o Assaí, os alimentos podem ser pagos em até quatro vezes sem juros no cartão da rede.

Em clima de queima de estoque, o Extra promoveu dois dias de ofertas, nesta quinta e sexta-feira, com foco nas categorias de eletro, bazar e têxtil. Segundo a empresa, toda a linha de lazer, bicicletas e brinquedos está com 50% de desconto.

Nas condições, as compras do setor de eletro poderão ser parceladas em até 30 vezes sem juros no cartão Extra (valores acima de R$ 500), ou em até dez vezes sem juros nos demais cartões.

AÇOUGUES TAMBÉM PREPARAM PROMOÇÕES

A recente desaceleração no preço das carnes ainda não foi suficiente para aplacar a queda no consumo da proteína observada na pandemia. Por isso, açougues de São Paulo apostam em promoções de Black Friday para atrair seus consumidores de volta.

Com as altas nos custos da cadeia produtiva, no entanto, os estabelecimentos preparam promoções menos ousadas, focadas em estratégias de fidelização do cliente e em carnes mais baratas do que a vermelha, considerada uma das vilãs da inflação dos alimentos.

Nos maiores açougues e aqueles que atendem clientela de maior renda, os descontos para esse ano são tímidos. Os estabelecimentos que optaram por participar da data focaram em iniciativas como promoções com aplicativos parceiros e descontos em cashback, modalidade que gera um crédito a ser abatido nas próximas compras na loja e visa fidelizar o cliente.

É o caso do deBetti Dry Aged & Carnes Especiais, na zona sul de São Paulo, que dará descontos de 10% a 20% na carne de hambúrguer vendida na Black Friday através do app da Rappi, diz a empresa. No Empório 481, casa de carnes online especializada em linhas premium, os clientes poderão fazer compras na data com 40% de cashback.

A rede de carnes congeladas Swift, que possui 200 lojas físicas e 400 pontos em supermercados pelo país, também apostou em parceria com o aplicativo de pagamentos PicPay para oferecer frete grátis na entrega e 20% de cashback nas compras durante a semana da Black Friday.

No kit churrasco a R$ 39 que faz parte da promoção, no entanto, a carne vermelha, que concentra a alta nos preços, fica de fora. O conjunto é composto de corte de frango, porco e pão de alho.

Nos açougues menores de bairro, a data é vista como a chance de alavancar as vendas, mas as melhores promoções também se concentram em cortes menos nobres e mais baratos.

Na pequena Casa de Carnes Kipreço (zona sul paulista), por exemplo, o quilo do contra-filé recebeu desconto de quase 15% e foi reduzido de R$ 49,99 para R$ 42,99 para a Black Friday. Já a coxa e sobrecoxa de frango, antes a R$ 14,99, serão ofertadas na data por R$ 9,99, um desconto de 35% —mais que o dobro daquele aplicado à carne bovina.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Brasil