Bastidores da Política - Mortes por asfixia em Manaus durante pandemia precisam ser investigadas e os responsáveis punidos


Mortes por asfixia em Manaus durante pandemia precisam ser investigadas e os responsáveis punidos

Por RAIMUNDO DE HOLANDA

25/07/2021 18h25 — em Bastidores da Política

Cinco  deputados assinaram  uma das propostas de CPI para apurar crimes cometidos ou negligenciados pelo governo do Amazonas durante a segunda onda da pandemia de Covid 19. Alguns, sem convicção, empurrados por um certo ativismo de seus seguidores. Outros, presos a uma teia eficaz que o Palácio da Compensa  produziu, não encontram  tempo para perder com CPI... Afinal, uma assinatura agora, abrindo uma investigação  que é tóxica para o Governo, se não tem preço, tem consequência. 

Os deputados amazonenses retornam do recesso parlamentar dia 6, com uma pauta indigesta. Criar ou não uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a crise na saúde em Manaus durante a segunda onda da pandemia de Covid 19, tendo como fato determinante  a escassez de oxigênio, que provocou centenas de mortes por asfixia  e colapsou a rede hospitalar do Estado.

Duas propostas de CPIs se atropelam por pura conveniência. As assinaturas saltitam  de uma para outra, de forma proposital, para impedir o quórum necessário.

É mais um jogo de cena, para inglês ver, marcado por interesses pessoais do que mesmo uma disputa salutar e republicana pela definição dos temas a serem investigados.

São necessárias sete assinaturas ou um terço dos deputados. Cinco assinaram  uma das propostas de CPI para apurar crimes cometidos ou negligenciados pelo governo do Amazonas durante a segunda onda da pandemia de Covid 19. Alguns, sem convicção, empurrados por um certo ativismo de seus seguidores.  As duas assinaturas seguintes são  partes desse espetáculo mambembe: "sai, não sai, assino, não assino", um teatro que revela a qualidade duvidosa dos atores envolvidos.

Depois de um cochilo da base governista, que permitiu a instalação da CPI da Saúde, ano passado, durante a primeira onda da pandemia - que identificou uma quadrilha que utilizava dinheiro destinado a combater a Covid para se locupletar, com o resultado de compras superfaturadas - o governo resolveu cobrar a conta dos parlamentares, muitos com negócios no governo. 

Uma assinatura agora, se não  tem um preço, tem consequência.

Não vai sair CPI, mas o espetáculo continua e nos porões do governo, onde conveniência e interesse se combinam, o governador Wilson Lima vence uma batalha parcial. Talvez a única antes do fim precoce de seu governo.

Em outubro do ano que vem,  o eleitor poderá cobrar essa fatura dos deputados.

Raimundo de Holanda é jornalista de Manaus. Passou pelo "O Jornal", "Jornal do Commercio", "A Notícia", "O Estado do Amazonas" e outros veículos de comunicação do Amazonas. Foi correspondente substituto do "Jornal do Brasil" em meados dos anos 80. Atualmente escreve a coluna Bastidores no Portal que leva seu nome.