Variante ômicron é de 'preocupação, mas não de desespero', segundo Queiroga

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

29/11/2021 13h05 — em Variedades

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O ministro da Saúde, Marcelo Querioga, disse nesta segunda-feira (29) que a ômicron, nova variante do coronavírus, "é de preocupação, mas não desespero". A afirmação foi feita durante evento, em Salvador, para assinatura de contrato com a Pfizer para compra de 100 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

O ministro citou o esquema de vacinação no país ao falar da nova cepa. "Temos a tranquilidade de enfrentar a imprevisibilidade de um inimigo perigoso, que é o novo coronavírus", afirmou.

"Há três dias, foi anunciada uma nova variante, que foi inicialmente descrita na África do Sul, a variante ômicron. E eu falei: 'é uma variante de preocupação, mas não é de desespero'", disse. "Não é uma variante de desespero porque temos autoridades sanitárias comprometidas com assistência de qualidade."

No fim de semana, Queriga disse que os cuidados que a população deve tomar em relação à variante ômicron, inicialmente identificada na África do Sul, são os mesmos aplicados a outras cepas da Covid que já circulam pelo mundo.

"Gostaria de tranquilizar todos os brasileiros porque cuidados com essa variante são os mesmos cuidados com as outras variantes. A principal arma que nós temos para enfrentar essa situação é a nossa campanha de imunização", destacou em uma live nas redes sociais.

O secretário de Vigilância da Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, ressaltou que, além da imunização, as pessoas precisam continuar adotando as medidas não farmacológicas e até evitar viagens para lugares em que a nova cepa esteja circulando para evitar a contaminação.

"Dadas as mutações que poderiam conferir a capacidade de escapar de uma resposta imune, e dar-lhe uma vantagem em termos de transmissibilidade, a probabilidade de que a ômicron se propague pelo mundo é elevada", afirmou a OMS nesta segunda. Até o momento, não houve registro de morte associada à variante.

Sobre a compra de vacinas, Queiroga disse no evento em Salvador, que o ministério tem um remanescente de 134 milhões de vacina de 2021 para uso no ano que vem, mais 100 milhões de doses da Pfizer, com a chance de expansão para compra de mais 50 milhões, e 120 milhões da AstraZeneca, totalizando ao menos 354 milhões de doses. A Coronavac, produzida no país pelo Instituto Butantan, não faz parte da lista citada pelo governo.

Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo mostrou que o Ministério da Saúde prevê a compra de 220 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 para a campanha de imunização de 2022. O investimento projetado é de R$ 11 bilhões. A pasta estima que serão necessários 340 milhões de vacinas para o ano que vem.

Segundo o ministro, foi preciso uma integração entre vários ministérios para a assinatura do contrato desta segunda. "Foi feita realocação [do Ministério da Cidadania] de verba de R$ 7 bilhões para adquirir esse reforço para o Programa Nacional de Vacinação", afirmou.

O Ministério da Saúde pediu à equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) o aumento de R$ 1,4 bilhão no orçamento de 2021 para garantir a compra de 100 milhões de vacinas da Pfizer para a campanha de 2022.

O recurso extra, que deve ficar dentro do teto de gastos --regra que limita o aumento das despesas públicas--, seria usado para pagar antecipadamente 20% do contrato de R$ 7 bilhões com a Pfizer, uma imposição da farmacêutica na negociação pelas doses.

A Pfizer disse, em nota, que não comenta detalhes das negociações que mantém com o governo.

"É a reafirmação do governo para o fim da pandemia", afirmou o ministro, que estava ao lado de João Roma, titular da pasta da Cidadania.

Queiroga negou que houve atraso atrasou na compra de vacinas e criticou o que ele chamou de "falsas narrativas" sobre a demora na imunização contra a Covid-19 no país.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Variedades