Siga o Portal do Holanda

Variedades

Vale questiona Promotoria e diz que barragem não corria risco iminente

Publicado

em

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Em entrevista coletiva nesta terça (12), a Vale questionou ação civil pública movida pelo Ministério Público de Minas Gerais e reafirmou que dados da companhia indicavam que a barragem que se rompeu, em Brumadinho (MG), não corria risco iminente.

O rompimento, ocorrido no dia 25 de janeiro, deixou até o momento 165 mortos e 160 desaparecidos. Para a Promotoria, a Vale tinha conhecimento de riscos de rompimento da estrutura, com base em relatório de outubro de 2018 que a colocava, ao lado de outras nove barragens, na "zona de atenção".

A ação movida pelo Ministério Público gerou decisão da Justiça de Minas Gerais determinando uma série de ações preventivas nas barragens citadas pelo relatório. A Vale diz que já vinha tomando as medidas, mas questiona a inclusão da barragem de Laranjeiras na lista, já que segundo a empresa trata-se de estrutura tradicional.

A suspensão das operações na barragem de Laranjeira levou a empresa a paralisar a mina de Brucutu, sua maior operação em Minas, com produção de 30 milhões e toneladas por ano. Após a paralisação, a empresa declarou força maior em contratos de venda de minério, para evitar o risco de penalidades por não conseguir entregar o produto a seus clientes.

A companhia diz que a "zona de atenção" do relatório citado pelo Ministério Publico compreende barragens em que os técnicos apontaram recomendações, mas não risco iminente. Segundo a empresa, no caso da estrutura que se rompeu, as recomendações eram dar continuidade ao processo de descaracterização do depósito de rejeitos e reduzir os níveis do lençol freático.

Segundo a mineradora, ambas as recomendações estavam em curso. A Vale obteve em dezembro licença ambiental para descaracterizar a barragem -processo que consiste em retirar o minério e reintegrar a área à natureza- e apresentou dados dos equipamentos que medem o nível de água, que comprovariam a redução do nível do lençol freático.

Eles questionaram ainda versões dadas por funcionários de que os equipamentos apontaram aumento súbito no nível do lençol freático, dizendo que quatro dos piezômetros (instrumentos que medem esse indicador) apresentaram problemas de configuração e enviaram dados errados ao sistema.

"A narrativa de que o nível de água da barragem aumentou não é sustentada pelos dados apresentados", afirmou o diretor de Finanças e Relações com Investidores da companhia, Luciano Siani. Segundo a empresa, a barragem tinha 94 piêzometros. 

"Tínhamos laudos de estabilidade que garantiam que não havia risco iminente naquela barragem", completou o gerente executivo de planejamento da àrea de minerais ferrosos e carvão da Vale, Lúcio Cavalli.

Segundo a Vale, ainda não é possível identificar as causas do rompimento da barragem. Uma comissão formada por especialistas internacionais está investigando o caso, disse Siani.

O executivo disse que a empresa está fazendo um levantamento das áreas habitadas próximas às suas barragens, mas que ainda não há um plano para tentar reduzir o dano potencial em eventuais rompimentos.

A reportagem mostrou que a empresa tinha conhecimento de que a sede e o refeitório da nina Córrego do Feijão seriam atingidos em poucos minutos pela onda de lama em caso de acidente. Grande parte dos mortos e desaparecidos estavam nesses locais.

"Sabemos que são regiões muito povoadas e estamos estudando o que fazer", disse Siani.

Na defesa da ZFM, falta um telepronter para Wilson Lima no palco de Brasília

-

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

1MinutoNerd: VINGADORES:Ultimato

 Siga o Holanda

Amazonas

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.