Compartilhe este texto

São Luiz do Paraitinga (SP) volta a arrastar multidões com seu original Carnaval de marchinhas

Por Folha de São Paulo

12/02/2024 9h00 — em
Variedades



SÃO LUIZ DO PARAITINGA, None (FOLHAPRESS) - Veio água, mas somente aquela esguichada das sacadas dos casarões históricos pelos seus moradores, que, lembrando as antigas brincadeiras do Entrudo —o antecessor da folia momesca—, agora servia mesmo era para refrescar os foliões sob o sol forte, 32°C à sombra.

Pessoas de todas as idades, sedentas de cair na festa e se esbaldar no meio dos cortejos de um dos Carnavais mais tradicionais do país, enfrentavam o calorão, que, no meio da multidão, era ainda mais intenso. Havia uma espécie de energia represada, doida para ser liberada.

Este é o primeiro Carnaval em São Luiz do Paraitinga desde 2020. As edições de 21 e 22 não rolaram por causa da pandemia de Covid-19. Já a edição 23 foi cancelada por conta das chuvas que atingiram o distrito de Catuçaba, localizado a cerca de 20 km dali. Mesmo assim, teve bloco desfilando, só que no chão.

A versão 2024 do Carnaval veio com força total. "Foi quase um orgasmo", comemorou Galvão Frade, um dos maiores compositores de marchinhas de São Luiz do Paraitinga, vencedor de uma série de concursos do gênero.

Ele é o mentor à frente do bloco da Maricota, que, neste domingo (11), saiu da frente da capela de Nossa Senhora das Mercês, obra tombada pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico), levando com ele uma legião de adeptos.

Em destaque na traseira do caminhão, os cinco integrantes do grupo liderado por Frade, que também é diretor de Cultura da cidade, entoaram um clássico, a marchinha que conta a história de Maricota. A canção faz uma referência ao gesto de, para entrar no clima carnavalesco, "descabelar o palhaço", numa mistura de ritmos em que sobressai a congada.

Como de costume nos blocos de São Luiz, uma música só é entoada e repetida várias vezes durante todo o trajeto, de aproximadamente uma hora.

Em meio às montanhas do Vale do Paraíba, bem no caminho entre Taubaté e Ubatuba, a pequenina São Luiz do Paraitinga, cidade com um pouco mais de 10 mil habitantes, vê uma multidão quase três vezes maior que a sua população tomar conta das ruas do centro histórico.

Um dos produtores da Abloc (Associação dos Blocos Carnavalescos), Fábio Gomes, 46, explica que, nesta retomada da festa, 13 shows e 27 blocos foram programados para a folia que terá o seu fim nesta terça-feira (13), beneficiados por um edital de repasse via ProAC, mecanismo estadual de incentivo para projetos culturais.

Com cerca de 30 músicos, o bloco Bebêbum, que surgiu na cena cultural luizense em 1995, levou a galera a imitar o "look" sarcástico do grupo —neste ano, eles estrearam a performance em cima de um caminhão. Assim como seus integrantes, os seguidores também vestiam fralda e touca. Não foram poucos aqueles que desfilaram ainda com mamadeira na boca.

"São Luiz é uma cidade repleta de artistas", conta Aguinaldo Salinas, 48, um dos criadores do Bebêbum. "Isso favorece, é claro, esse ambiente de autenticidade. Somos uma banda de coreto, de fanfarra, que transita entre esse universo do lúdico, do infantil, com o bebê e a babá, e o do bebum", explica.

Numa cidade que circula com desenvoltura entre o sagrado e o profano, celebra a mamadeira da cachaça no Carnaval, comemora o folclórico Saci e abençoa todos os tipos de crença na Festa do Divino Espírito Santo, a criatividade é algo intrínseco ao DNA de seus moradores.

Em suas andanças à procura de cavalgadas por serras e aventuras em trilhas atrás de cachoeiras, a psiquiatra Cris Taeko, 61, ao chegar a São Luiz, vinda de São Paulo, questionou-se: "É circo ou hospício?".

Tinha, de início, a intenção de transformar a cidade em cenário de uma tese de doutorado em sua área de pesquisa. Trinta anos depois, ela é uma apaixonada por São Luiz. O estudo ficou para trás.

Faz 12 anos que a paulistana canta no bloco Pé na Cova, que sai da frente do cemitério, aos domingos e às terças-feiras de Carnaval, comandado por seis integrantes. "Cantar aqui é fazer parte dos encantos da cidade", diz Taeko, que, acreditem, não gosta de multidão.

Aos 72 anos, "40 deles de farra", nas palavras sinceras do artista Benito Campos, o Carnaval é o momento de festejar a vida. Figura tradicional da folia, Campos foi o autor do discurso de abertura do Carnaval, que oficialmente se deu no sábado (10), quando ele comandou o histórico bloco Juca Teles, criado em 1983.

Pelas ruas de Paraitinga, o bloco faz uma homenagem ao oficial de Justiça Benedito de Souza Pinto. Homem festeiro, ligado às interpretações católicas, criou o personagem Juca Teles do Sertão das Cotias para, em dias de festança, esbaldar-se até cair (quem nunca?).

Na primeira metade do século passado, saía às ruas descalço. Muitas vezes, ia de tamancos. Vestia fraque preto e cartola. Uma simpatia. Mais que isso, talvez um gesto simbólico do que representa a essência do Carnaval de São Luiz do Paraitinga, um dos mais autênticos do Brasil.

Em sua homenagem a Juca Teles, o folclorista Campos representa um ícone de resgate da cultura carnavalesca característica da cidade.

Assim como os foliões que os cortejam, Juca Teles e Benito Campos esperam rezar a mesma cartilha anunciada no início da festança, mas que pode ter serventia para tantos outros Carnavais: "…Portanto, amantes da vida, viajantes do tempo, esborniai".

*

CONFIRA A AGENDA DE BLOCOS NA CIDADE

Segunda-feira (12)

- 14h: bloco do Barbosa

- 15h: show da banda do Barbosa (praça de eventos)

- 16h30: bloco Pai do Troço

- 17h30: bloco Caipira

- 19h: bloco Cruis Credo

- 20h: show da banda Sincopado (praça de eventos)

- 21h30: bloco Caetê

- 23h: bloco Encuca a Cuca

- 00h: show de Tânia Moradei e banda (praça de eventos)

Terça-feira (13)

- 14h: bloco Pipoca

- 15h30: bloco Espanta Vaca

- 17h: bloco Beijo

- 18h: show da banda A Louca Marcha do Luizinho (praça de eventos)

- 20h: bloco Casarão

- 21h30: bloco Pé na Cova

- 23h: bloco Bico do Corvo

- 00h: show da banda Despirocadas (praça de eventos)

Fonte: Prefeitura de São Luiz do Paraitinga


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Variedades

+ Variedades