Compartilhe este texto

Estudantes da Unifesp decidem seguir em greve mesmo após volta dos professores

Por Folha de São Paulo

24/06/2024 19h30 — em
Variedades



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Estudantes do campus Diadema da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) resolveram seguir em greve, mesmo após os professores anunciarem seu retorno às salas de aula a partir desta semana. Após assembleia nesta segunda-feira (24), maioria dos votantes optou por prolongar a paralisação.

Os alunos dizem que a decisão dos docentes pelo encerramento da paralisação foi tomada sem considerar as opiniões deles, de maneira desrespeitosa e com precipitação no processo de decisão. Eles argumentam só ser possível voltar à universidade ao fim da greve dos servidores técnico-administrativos -que ainda não aceitaram proposta do governo-, responsáveis pelo manuseio de equipamentos em laboratórios.

"É importante salientar que o campus Diadema praticamente não teve aulas experimentais em laboratórios durante todo o semestre e que as unidades curriculares que dependem de aulas práticas só terminam quando as mesmas forem realizadas", afirma o diretório acadêmico da instituição. "Portanto, sem a volta dos servidores, não existe um retorno viável para um campus com tantos cursos que necessitam da experiência em laboratório."

A greve dos professores das universidades federais terminou neste domingo (23), após 69 dias. O Andes (Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior) afirmou que, em assembleia, a maioria de suas instituições filiadas optou por acabar com a paralisação.

O argumento para encerrar a greve foi a "intransigência" do governo Lula (PT) quanto às negociações salariais. Para os docentes, Brasília não iria conceder o reajuste pedido para este ano e seguir sem aulas somente prejudicaria os estudantes.

Agora, o sindicato deve avisar sua deliberação ao Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos e assinar um acordo, algo previsto para quarta-feira (26).

Também neste domingo, antes da decisão das universidades, professores e servidores técnico-administrativos de institutos federais já tinham resolvido encerrar a greve. A decisão foi anunciada pelo Sinasefe (Sindicato Nacional dos Servidores Federais na Educação Básica, Profissional e Tecnológica) após assembleia.

A classe aceitou a proposta do governo de reajuste salarial somente a partir de 2025. O número de institutos federais em greve era menor que o de universidades.

A greve de professores das universidades e institutos federais começou em 15 de abril. Eles pediam reajuste salarial e recomposição do orçamento dos centros de ensino.

Representados pelo Andes e pelo Sinasefe, os servidores reivindicavam aumento de 3,69% em agosto deste ano, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio 2026. Brasília ofereceu 9% em janeiro de 2025 e 3,5% em maio de 2026.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Variedades

+ Variedades