Siga o Portal do Holanda

Variedades

Ave polar leva base brasileira na Antártida a fazer megatransplante de musgo

Publicado

em

ANTÁRTIDA (FOLHAPRESS) - O projeto do heliponto da nova base científica brasileira na Antártida já estava pronto quando os técnicos descobriram que ali havia um grande tapete de musgo e um ninho de skua, uma ave polar que se reproduz na região.

Por conta do impacto ambiental que a remoção desse tapete poderia causar, a empresa chinesa que executou a obra para construir a nova estação foi orientada a transplantar o musgo para um outro local, sob supervisão dos fiscais do Ibama.

O tapete, com cerca de 650 metros quadrados, foi levado para um outro lugar próximo. A operação foi considerada o maior transplante de musgo da história, segundo o biólogo Paulo Câmara, pesquisador antártico que está escrevendo um artigo científico sobre o assunto.

Ele avalia como está a recuperação da planta. "Aparentemente o tapete está muito bem, saudável, crescendo. Agora a gente já sabe que o transplante de musgo é viável, pelo menos aqui na Antártida."

E por que o musgo é tão importante por aqui? "Os tapetes de musgo são a Amazônia da Antártida. Não tem macaco pulando, arara voando, mas tem muitos organismos vivendo ali, é uma floresta em miniatura. Tem que olhar na lupa, no microscópio, o que tem lá."

Entre os microrganismos que vivem ali está o tardígrado, uma criatura estranha e microscópica e se assemelha a um urso aquático. Por isso, é também conhecido como urso d'água.

"O cara vive aqui no inverno, a menos 30 graus Celsus, sobrevive a mais de 100 graus, na água fervendo, e vive no vácuo, no espaço. Se tem uma criatura do capeta é o tardígrado. Ele não morre", diz Câmara.

E o que o animal mais resistente do mundo pode nos ensinar?

"Se a alguém pode ensinar a gente a não morrer é ele. Se tem alguma substância que o deixa à prova de bala, a gente pode aprender com ele. Se a gente remove o tapete de musgo, está removendo ele e toda essa galera que consegue sobreviver nessas condições inóspitas."

Uma pesquisa da Universidade de Tóquio publicada em 2016 na revista científica Nature Communications demonstrou que o bichinho tem uma proteína que protege o seu DNA. Ela teria potencial para ser uma fonte de novos genes e de mecanismos de proteção.

Eles desenvolveram em laboratório células humanas que produziram a mesma proteína e descobriram que ela também protegia as células, especialmente contra a radiação. Mas as do tardígrados se mostraram muito mais resistentes a raios-X do que as células humanas. Ou seja, a criatura tem outras cartas na manga, que mereceriam ser mais bem investigadas.

E como terminou a história da ave skua e seu ninho? Teimosa, ela não desistiu. Voltou a fazer o ninho muito perto do heliponto, em outra área de musgo

A reportagem da Folha de S.Paulo visitou nesta segunda (13) a região, a poucos metros da base e precisou desviar a rota porque a ave investia contra quem se aproximasse do local, caminho de Punta Plaza, a região norte da península Keller.

"Ela faz o ninho no musgo porque é fofo, quentinho, funciona como isolante térmico", diz Luiz Ernesto Trein, analista ambiental e fiscal da obra na base.

Conhecida como mandrião do sul, seu nome científico é Stercoparius, que significa "de esterco". Trata-se de uma referência à forma como a ave busca o alimento, atacando outras aves até elas regurgitarem.

Também se alimenta de filhotes de outros pássaros, como gaivotas e andorinhas, além de ovos de pinguim.

"Ela tem uma alimentação muito variável como toda ave de rapina. Come de tudo, ataca filhotes de outros bichos, come até cadáveres de pinguins."

 

O legado do prefeito de Manaus

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.