Compartilhe este texto

O “poder” do turismo religioso


Por Orsine Jr.

15/04/2022 13h43 — em
Turismo, eu acredito!


Foto: Unitur

Estamos na Semana Santa e Páscoa, que vai muito além de ovos de chocolate. O período mobiliza fiéis em homenagens, orações, meditação e muita devoção, o que impulsiona o turismo religioso. No Brasil, a estimativa é que a religião movimente, em média e anualmente, R$ 15 bilhões, segundo o Ministério do Turismo (MTur).  

Os destinos onde a devoção pode ser praticada são variados. Aparecida, em São Paulo, está entre os locais preferidos dos católicos. Lá está o Santuário Nacional de Aparecida, que, em 2021, recebeu mais de cinco milhões de fiéis - antes da pandemia, esse número chegou a 12 milhões de pessoas, por ano. 

Rovena Rosa - Foto: Agência Brasil

As cidades de Ouro (MG), Salvador (BA), Nova Trento (SC), Juazeiro do Norte (CE), Nova Jerusalém (PE) e Belém (PA) também são rotas para a prática do turismo religioso. Aqui no Amazonas, temos Itapiranga, que se tornou ponto de peregrinação após a aparição da Rainha do Rosário e da Paz, em 1994. 

O turismo religioso movimenta a economia de uma cidade em vários aspectos. Ele gera emprego e renda, favorece o comércio,  os segmentos de hospedagem e transporte, a cultura e a gastronomia, ou seja, a modalidade turística proporciona momentos de fé, devoção aos fiéis e é fonte desenvolvimento econômico para o nosso país. 

Pelo “poder” do turismo religioso, Turismo Eu Acredito!

Os artigos, fotos, vídeos, tabelas e outros materiais publicados nesta coluna não refletem necessariamente o pensamento do Portal do Holanda, sendo de total responsabilidade do(s) autor(es) as informações, juízos de valor e conceitos divulgados.

ASSUNTOS: Turismo, eu acredito!

+ Turismo, eu acredito!