Compartilhe este texto

PF indicia Carla Zambelli e Delgatti por invasão ao site do CNJ

Por Folha de São Paulo

29/02/2024 21h00 — em
Política



BRASÍLIA, DF, E EM SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A Polícia Federal indiciou a deputada Carla Zambelli (PL-SP) e o hacker Walter Delgatti Neto pela invasão ao site do CNJ (Conselho Nacional de Justiça). A informação foi confirmada à reportagem pelo advogado da parlamentar.

A PF concluiu o inquérito sobre a invasão ao sistema do CNJ. A investigação apurava se a deputada Carla Zambelli contratou os serviços do hacker para esse fim.

O relatório da Polícia Federal ainda será enviado à PGR. A Procuradoria-Geral da República vai decidir se a deputada será ou não denunciada ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Por meio de nota, a defesa de Zambelli negou as alegações. "Ela jamais fez qualquer tipo de pedido para que Walter Delgatti procedesse invasões a sistemas ou praticasse qualquer ilicitude. Aliás, a arbitrária interpretação deduzida pela autoridade policial asseverando que a deputada tenha recebido eventualmente documentos, não evidencia adesão ou qualquer tipo de colaboração, ainda mais que ficou demonstrado que não houve qualquer encaminhamento a terceiros", diz o texto.

A defesa de Walter Delgatti declarou que "não se surpreende com o indiciamento". "Desde sua prisão, Walter confessa sua participação na invasão da plataforma do CNJ. O indiciamento de Carla Zambelli confirma que Walter, a todo momento, colaborou com a Justiça, levando a PF até a mandante e financiadora dos atos perpetrados por ele", diz a nota.

Advogado diz que pretende "reiterar o requerimento que tem como objetivo a liberdade de Walter". Segundo texto assinado por Ariovaldo Moreira, não há "motivo para manutenção da custodia cautelar, uma vez encerrada a investigação".

Em depoimento à PF em novembro do ano passado, Zambelli já havia negado a suposta contratação do hacker. Ela reafirmou ter contratado Delgatti apenas para fazer um novo site para ela, no valor de R$ 3 mil. Outros R$ 10 mil teriam sido pagos ao hacker por Renan Goulart, então assessor da parlamentar, para suposta compra de garrafas de uísque.

Delgatti já havia assumido a autoria do falso mandado contra Moraes. O hacker afirmou que o falso documento serviu como prêmio de consolação para Zambelli. Segundo ele, a deputada havia lhe pedido que hackeasse as urnas eletrônicas e as contas do ministro. O hacker está preso desde quando foi alvo de uma operação da PF.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Política

+ Política