Justiça dá 10 dias para Sérgio Camargo dizer se irá a audiência com Tabata Amaral

Por Estadão Conteúdo / Portal do Holanda

06/12/2021 16h36 — em Política

A Justiça Federal do Distrito Federal deu dez dias para o presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, informar se tem interesse em participar de uma audiência de conciliação com a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP).

A parlamentar entrou com uma queixe-crime por difamação e falsa acusação de injúria racial depois que Camargo usou as redes sociais para insinuar que ela foi racista ao denunciá-lo por fake news.

"A branca mimada e privilegiada não aceita que um preto ria dela. Esse meme foi compartilhado por milhares de pessoas, e ela ter escolhido logo um negão para processar mostra um provável racismo e perseguição. Inclusive, outros notáveis compartilharam esse meme. Ou ela prova que processou TODOS, ou restará provada a perseguição a um negro que venceu e vence diariamente sem ser afromimizento da esquerda", escreveu Camargo.

A intimação foi expedida nesta segunda-feira, 6, pela 15.ª Vara Federal Criminal do Distrito Federal. Se não houver acordo, o processo segue seu curso, com abertura de prazo para apresentação da defesa.

A queixa-crime por difamação e falsa acusação de injúria racial foi apresentada na esteira de um outro processo movido pela deputada para responsabilizar o presidente da Fundação Palmares por uma publicação falsa atribuída à ela. Camargo compartilhou uma postagem em que ela teria escrito "Deixa eu menstruar, Bolsonaro" e recebido, do presidente Jair Bolsonaro, a resposta: "E quando foi que eu proibi?".

Tabata é uma das autoras dos projetos, vetados por Bolsonaro, que instituiriam a distribuição gratuita de absorventes para mulheres de baixa renda.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Política