Doria assume que antipetismo será linha 'predominante' de sua campanha em 2022

Por Estadão Conteúdo / Portal do Holanda

20/09/2021 18h49 — em Política

Ao registrar oficialmente, nesta segunda-feira, 20, sua candidatura para a disputa das prévias presidenciais do PSDB, o governador de São Paulo, João Doria, apresentou uma carta com críticas explícitas aos ex-presidentes petistas Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. No documento, embora destaque que os tempos atuais "são de retrocesso" e faça uma defesa da democracia, não há referências nominais ao presidente Jair Bolsonaro.

A estratégia do tucano, que tem como principal adversário nas prévias do partido o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, é mirar na tentativa de se firmar como alternativa política para os eleitores de centro e centro-direita contra Lula.

"Infelizmente, os anos que se seguiram com os governos de Lula e Dilma representaram a captura do Estado pelo maior esquema de corrupção do qual se tem notícia na história do País. Fazer políticas públicas para os mais pobres não dá direito, a quem quer que seja, de roubar o dinheiro público. Os fins não justificam os meios", criticou Doria.

Durante a cerimônia de oficialização de sua inscrição, na sede do partido, em Brasília, Doria assumiu a opção de voltar prioritariamente suas baterias contra o PT. Com isso, repete a estratégia adotada nas suas vitórias em 2016, para a Prefeitura de São Paulo, e em 2018, para o governo.

"Esse antipetismo será predominante dentro da nossa campanha. Com muita clareza", afirmou Doria. "Nós vencemos o PT em 2016 e nós vencemos o PT em 2018. E fiz essas duas vitórias de maneira republicana. Nunca utilizei subterfúgios que pudessem ser condenados no âmbito do que eu chamo de educação democrática, de disputar com propostas e não com ataques pessoais. Fiz, inclusive, uma transição republicana, elogiada até hoje em São Paulo, quando o então prefeito Fernando Haddad transferiu a nós a Prefeitura de São Paulo. E este foi o gesto e a conduta que fizemos nessa transição. Volto a afirmar que os fins não justificam os meios. E eu estarei com posição distinta do outro lado daqueles que fizerem esse tipo de opção, seja qual for o partido", disse o governador.

Com isso, Doria faz uma espécie de sinalização política também para o eleitor que votou em Bolsonaro em 2018 e que está decepcionado com a atuação do governo. O próprio Doria se elegeu para o governo associando sua candidatura à de Bolsonaro contra o então governador Márcio França (PSB). Na época, ficou famosa a campanha "Bolsodoria", defendida pelo tucano, que pregava um voto casado com o presidente para os eleitores paulistas.

Mas, mesmo sem citar o nome do presidente, a carta de inscrição faz uma sinalização para esse eleitor que possa estar desencantado com Bolsonaro, como indicam as pesquisas de intenção de voto. E trata de agendas importantes que, na visão do tucano, vem sofrendo retrocessos.

"Os tempos são de retrocesso. Retrocesso institucional, democrático, econômico, ambiental, social, político e moral. Nossas instituições têm sido atacadas, mas dão provas de independência e coragem ao defenderem o que temos de mais sagrado: respeito à Constituição, ao Estado Democrático de Direito, com eleições livres, diretas e com voto eletrônico", disse Doria no documento apresentado.

Apesar de assumir a oposição aberta ao PT, Doria afirmou não ver problemas em subir ao lado de representantes do partido em manifestações em defesa da democracia.

"Em relação à democracia, não há divisão", disse. "Pela democracia, pelas liberdades, pelo Estado democrático de direito eu estarei no palanque com todos aqueles que fizerem sua defesa. Não há uma posição ideológica, partidária, nem eleitoral para se defender a democracia no Brasil e o Estado democrático de direito. Todos aqueles que abraçarem essa causa e defenderem esses princípios, eu estarei ao lado."

Se apresentando como candidato de terceira via, Doria fez questão de casar seu trabalho em defesa da vacinação contra o coronavírus com o Plano Real, justamente o principal legado dos tucanos.

"Acredito no PSDB, o partido do Plano Real e da vacina, e acredito no Brasil. No PSDB da vitória. Unidos venceremos a corrupção e a incompetência. Venceremos as trevas e o negacionismo. Vamos juntos unir o Brasil e os brasileiros."

Outro gesto reforçado por Doria foi a promessa de indicar uma mulher para a vaga de vice-presidente, caso seja escolhido como candidato. O governador já tinha feito o aceno político num encontro recente do PSDB Mulher, mas reconheceu que ainda não há qualquer definição sobre quem poderia ser a escolhida. Outro fator de dúvida é a possibilidade de alianças com outros partidos, o que poderia impedir a promessa de ser realizada, já que a vaga de vice precisará estar disponível.

Doria acabou sendo o único dos pré-candidatos a fazer de forma presencial sua inscrição nas prévias, marcadas para 21 de novembro. Eduardo Leite fez a inscrição por meio eletrônico e estará amanhã em Brasília, também para participar de uma solenidade no PSDB para o lançamento de sua candidatura às prévias. Os outros dois pré-candidatos, Tasso Jereissati e Arthur Virgílio, têm se movimentado pouco por suas candidaturas e não é certo que levem a disputa até o fim.

O governador tucano aproveitou a passagem por Brasília para fazer articulações. Marcou reunião com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, para tratar do fornecimento de vacinas pelo governo para os Estados. Além disso, participou de um almoço com o senador Izalci Lucas (PSDB-DF) e também fará um encontro à noite com militantes tucanos.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Política