Compartilhe este texto

Câmara aprova texto-base de projeto que mira MST e veta benefícios sociais a invasores de propriedade

Por Folha de São Paulo

21/05/2024 21h40 — em
Política



BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (21) o texto-base de um projeto de lei que determina que invasores de propriedades rurais serão impedidos de receber auxílios ou benefícios de programas do governo federal, como o Bolsa Família, assim como de tomar posse em cargos e funções públicas.

A aprovação por 336 votos a 120 (além de uma abstenção) é uma derrota para parlamentares da base de apoio ao governo Lula (PT), que são contrários à matéria e tentaram adiar sua votação com obstrução --foram apresentados requerimentos de retirada de pauta e de adiamento de discussão, mas foram rejeitados. Os deputados agora analisarão os destaques.

De autoria do deputado Marcos Pollon (PL-MS), o projeto foi patrocinado pela FPA (Frente Parlamentar da Agropecuária), uma das forças mais expressivas da Casa, como resposta às ações do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) no chamado Abril Vermelho.

Nesta terça, o presidente da FPA, deputado Pedro Lupion (PP-PR), foi designado relator do texto em plenário. O parlamentar alterou o conteúdo da matéria aprovada nas comissões temáticas da Casa, endurecendo a pena aos invasores.

No fim de abril, o texto foi aprovado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), sob relatoria do deputado Ricardo Salles (PL-SP), que foi ministro do Meio Ambiente no governo Jair Bolsonaro (PL) e relator da CPI do MST na Câmara.

Naquela proposta, as sanções seriam impostas aos condenados pelos crimes de invasão de domicílio ou esbulho possessório e as penas valeriam a partir do trânsito em julgado da condenação, ou seja, quando não houvesse mais recursos na Justiça.

Agora, pelo texto aprovado nesta terça, essas sanções serão impostas a quem for "efetivamente identificado como participante direto ou indireto" das invasões.

A proposta veda que invasores de propriedades rurais públicas ou privadas possam firmar contratos com o poder público, participar de concursos públicos ou ser nomeados para cargos públicos comissionados. Todas as restrições valem por oito anos a partir da saída dessas pessoas das propriedades.

O projeto impede ainda que invasores e ocupantes ilegais recebam auxílios, benefícios e programas do governo federal também por oito anos, com exceção do Bolsa Família --nesse caso, as pessoas só não receberão as parcelas do programa pelo período no qual estiverem nas invasões.

Pelo projeto, caso qualquer uma das hipóteses já esteja ocorrendo, a pessoa será desvinculada compulsoriamente, com exceção do Bolsa Família, "respeitados o contraditório e a ampla defesa".

Ela também determina que os invasores ficarão proibidos de participar do Programa Nacional de Reforma Agrária e, se estiver nele cadastrado ou por ele beneficiado, serão excluídos "perdendo a posse sobre lote que eventualmente ocupe".

O texto aprovado determina ainda que é proibido o repasse de recursos públicos a movimentos que não tiverem CNPJ, sendo essa vedação "estendida às pessoas jurídicas utilizadas como intermediárias para acesso ao erário".

Essas punições também serão aplicadas a quem invadir prédios públicos "com o objetivo de forçar o Estado, ou quaisquer de seus agentes, a fazer ou a deixar de fazer algo ou a executar políticas públicas, inclusive as que se relacionam à reforma agrária ou à demarcação de terras indígenas".

Neste ano, em abril, cerca de 200 militantes do MST invadiram a superintendência do Incra (Instituto Nacional de Colonização e da Reforma Agrária) em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, numa ação que tinha por objetivo pressionar o governo federal a avançar em projetos da reforma agrária.

Nesta terça, deputados governistas criticaram duramente o teor do projeto, afirmando que ele criminaliza movimentos sociais. A deputada Jandira Feghali (PC do B-RJ) classificou o texto como "inconstitucional".

"Esse projeto estimula a violência, estimula a violação de direitos e benefícios e o sequestro de benefícios. Esse projeto busca criminalizar um movimento social absolutamente legítimo, que representa trabalhadores que querem produzir, que querem trabalhar. E, se houver excesso, existe uma coisa chamada Justiça. Este Parlamento faz parte do Estado brasileiro e este Parlamento está tirando o papel do Estado", disse.

"Quem vai dizer que essa pessoa vai ter essas penalidades? Tiraram a Justiça daqui. Não existe Justiça. Essas pessoas não precisam estar condenadas, não há trânsito em julgado, basta a identificação. É uma loucura o que está sendo aprovado aqui", afirmou o deputado Lindbergh Farias (PT-RJ).

Na semana passada, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) afirmou a líderes partidários que levaria a matéria ao plenário e não deu margem para que isso fosse negociado --o texto acabou não sendo votado porque o quórum de presença estava baixo.

Nesta terça, Lira afirmou que o projeto é "a garantia da propriedade privada produtiva". "Quem invadir, e não qualquer pessoa, quem invadir a propriedade produtiva terá os efeitos da lei, se por acaso ela for aprovada", disse a jornalistas ao chegar na Câmara.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Política

+ Política