Bolsonaro é aconselhado a oficializar logo indicação ao STF para tirar juiz do 'sereno' Bolsonaro é aconselhado a oficializar logo indicação ao STF para tirar juiz do 'sereno'

Bolsonaro é aconselhado a oficializar logo indicação ao STF para tirar juiz do 'sereno'

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

01/10/2020 18h35 — em Política

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro está sendo aconselhado a enviar nas próximas horas ao Senado a indicação do desembargador Kássio Nunes Marques para ocupar a vaga de Celso de Mello no STF (Supremo Tribunal Federal).

Ele está sendo instado a sacramentar oficialmente a escolha para tirar Nunes Marques do "sereno" –ou seja, para evitar que ele continue sendo bombardeado por grupos contrários à indicação e também por outros candidatos ao cargo.

Com a oficialização da escolha, o fato estaria consumado e restaria marcar o dia para ele ser sabatinado pelos senadores.

O tom das críticas contra o desembargador subiu nas últimas horas. O pastor Silas Malafaia, aliado do presidente, por exemplo, postou um vídeo nas redes sociais dizendo que a possível indicação de Bolsonaro é um "absurdo vergonhoso".

O presidente do STF, Luiz Fux, também manifestou descontentamento.

A escolha está sendo criticada ainda por assessores de Bolsonaro no Palácio do Planalto, que dizem que ela não está sacramentada.

Para que a oficialização ocorra em um curto espaço de tempo, há um outro problema a ser contornado: a de que ela não pareça um gesto deselegante com Celso de Mello, que só se aposenta em 13 de outubro. Interlocutores já estariam consultando o magistrado para explicar a situação.

Caso as arestas sejam aparadas, Bolsonaro enviaria a indicação para valer a partir do dia 14, quando então o Senado poderia aprovar o nome.

O desembargador, que é do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª região), foi apresentado por Bolsonaro aos ministros do STF Gilmar Mendes e Dias Toffoli e também ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, como a pessoa que ele indicará para a corte.

O presidente pediu um encontro com os três na casa de Gilmar Mendes. E chegou lá com Kássio Nunes Marques.

A perplexidade foi geral: tanto Alcolumbre quanto Gilmar e Toffoli tinham certeza de que o indicado seria o secretário-geral da Presidência, Jorge Oliveira. E já apoiavam o nome dele para integrar a corte.

Depois do primeiro susto, eles endossaram a indicação, que foi bem recebida também por deputados e senadores.

O desembargador, no entanto, passou a sofrer críticas de bolsonaristas radicais e de outros candidatos que já estavam em campanha para integrar a Suprema Corte.

+ Política