Lava-jato: Deputado cobra fiscalização para gasoduto Coari-Manaus

Por Portal do Holanda

18/11/2014 16h00 — em

A denúncia de pagamento de propina durante a execução das obras do gasoduto Urucu/Manaus, alvo de investigação na Operação Lava Jato pela Polícia Federal, foi destacada, nesta terça-feira (18) pelo líder do governo na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), deputado estadual Sidney Leite (Pros).

Segundo parlamentar, é preciso uma investigação para saber até que ponto o fato interfere no preço do produto e que prejuízos pode apresentar para a Cigás, concessionária controlada em parte pelo Governo do Estado, e para a sociedade.

Leite afirmou que vai encaminhar requerimento à Cigás e à Eletrobrás Amazonas Energia solicitando valores referentes ao produto e os motivos do gás não chegar a municípios como Manacapuru e Coari, por exemplo. O parlamentar vai solicitar informações também ao Tribunal de Contas da União (TCU).

Na Aleam, Sidney Leite lembrou que o gasoduto Coari/Manaus deveria ter começado a funcionar em 2008, mas só entrou em operação um ano depois e teve o valor da obra dobrado de R$ 2,4 bilhões para R$ 4,4 bilhões.

“Naquele momento eu já alertava para o aumento dos preços praticados, bem como dos valores que praticamente dobraram. E agora o que a gente vê é que o gasoduto Coari/Manaus não ficou fora do esquema de corrupção de propina”, comentou.

O gasoduto nasceu com o objetivo de aumentar a oferta de gás para a geração de energia na região Norte.  Com a deflagração da operação Lava Jato, pela Polícia Federal, que investiga os esquemas de corrupção envolvendo a Petrobras, o pagamento de propina em obra do gasoduto Coari/Manaus passou a ser investigado. 

“Estou providenciando um requerimento para solicitar informações junto a Cigás e Amazonas Energia para saber por que municípios importantes não foram atendidos pelo gás, haja a vista que o modelo praticado hoje tem problemas não só de cunho ambiental, mas tem problemas sérios de manutenção. Se não fosse isso não teríamos vários problemas de apagões no interior do Estado”.

Foto: Diego Peres

+