Siga o Portal do Holanda

Política

Visita de deputados do PSL acaba em confusão em aldeia no Rio

Publicado

em

Foto: Reprodução/ Twitter Foto: Reprodução/ Twitter
Foto: Reprodução/ Twitter

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A visita inesperada de deputados estaduais do PSL acabou em confusão na Aldeia Maracanã, ocupação indígena no complexo do estádio do Maracanã, na zona norte do Rio. Rodrigo Amorim e Alexandre Knoploch, novatos na Alerj (Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro), foram expulsos do local sob gritos de "racista". 

Em janeiro, Amorim já havia chamado a aldeia de "lixo urbano". Foi ele, também, o deputado que quebrou uma placa com o nome da vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada há cerca de um ano.

Amorim afirmou em suas redes sociais que foi ao local para vistoriar o prédio do antigo Museu do Índio. Ele disse que os dois tinham como objetivo averiguar denúncias de problemas estruturais nas instalações.

Na visita, o deputado Knoploch aparece puxando com força um homem com quem estava discutindo. "Você é índio? Você é índio?", questionou.

Amorim, por sua vez, é mostrado nas gravações dizendo que não aceita doutrinação ideológica e que a aldeia não é espaço da esquerda. "Doutrinação ideológica é a sua", responde o interlocutor.

Os índios afirmam que os deputados estavam acompanhados de seguranças, usando colete de balas e aparentemente armados. 

"Xingaram e ameaçaram indígenas, dizendo aos berros que somos todos selvagens e que não poderíamos ficar aqui, pois aqui é uma área nobre e não lugar de índios", diz a página da Aldeia Maracanã nas redes sociais.

"Ao serem firmemente convidados a se retirarem da aldeia, disseram que sairiam mas que 'vão se livrar de nós'."

Amorim afirma que os parlamentares foram recebidos com muita hostilidade por pessoas munidas de arcos e flechas. "Nossa tentativa de vistoriar o prédio do antigo Museu do Índio foi frustrada devido as ameaças e a hostilidade", escreveu nas redes.

O deputado diz que já havia encaminhado à Secretaria de Assistência Social requerimento solicitando informações sobre a situação da moradia no local. "Uma das minhas preocupações é o estado de insalubridade no qual vivem os moradores. Nossa intenção era produzir relatórios e posteriormente acionar os órgãos competentes."

A Aldeia Maracanã foi desocupada violentamente em 2013, mediante ordem do estado, com a proximidade da Copa de 2014 e as obras de reforma no estádio. 

O complexo do Maracanã não foi para frente da forma como fora concebido -uma área com lojas, espaço de alimentação e estacionamento que demandaria a demolição de todos os equipamentos do entorno do estádio, com uma escola, um estádio de atletismo e outro de natação, além do antigo prédio do Museu do Índio.

Com o abandono do local, os indígenas voltaram a ocupar a região em 2016.

 

10 mil novos servidores vão entrar no governo pela porta dos fundos

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.