Irmãos disputam um blusão de moletom na Justiça do Paraná

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

30/05/2019 14h45 — em Política

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - “Está certo que os Juizados Especiais também são destinados a tentar ajudar as pessoas a resolver pequenas pendências cotidianas e atritos de menor importância. Mas sempre é possível se surpreender com o que aparece.”

A observação é do juiz de direito Rosaldo Elias Pacagnan, de Cascavel (PR), na introdução de sentença numa ação em que dois irmãos disputam na Justiça uma peça de roupa.

Angélica Gazziero e Edson Gazziero são irmãos e vivem na mesma casa.

“Angélica prova que comprou um blusão de moletom com seu cartão de crédito, pela internet, e que colocou o nome da mãe, Dona Anita Maria, como destinatária, dizendo que o fez para facilitar a entrega pelos Correios”, narra a sentença.

“Quando a encomenda chegou, porém, foi Edson quem abriu, viu, gostou e pegou a blusa com desenhos de caveiras nas mangas para ele, e não devolve.”

“Essa é a disputa trazida ao Judiciário!”, afirma o juiz, na sentença.

Na audiência para buscar um acordo, “os ‘Brothers’ vieram, mas nada de chegar a um consenso”, registra o magistrado.

“Pessoas adultas que deveriam se amar e respeitar, conseguem a proeza de continuar brigando por uma peça de roupa. Onde é que esse mundo vai parar?”, pergunta o magistrado.

“Se a blusa fosse da mãe, na esfera penal Edson estaria isento de pena pela apropriação indébita ou furto, entende o juiz. Mas como é da irmã, até crime, em tese, isso é.”

“Coisa feia o que está acontecendo… E feia para os dois lados”, afirma.

O juiz Pacagnan extinguiu o processo e condenou o réu, Edson, a entregar à autora, Angélica, “a Blusa Moletom OKL Mangas Caveira Primeira Linha, tamanho P, cor preta (Movimento nº 1.5), no prazo de 24 horas, em perfeito estado, ou seu equivalente em dinheiro (R$ 79,99).


+ Política