Doria diz que não quer "generalizar" sobre operação em Paraisópolis Doria diz que não quer "generalizar" sobre operação em Paraisópolis

Doria diz que não quer "generalizar" sobre operação em Paraisópolis

Por Estadão Conteúdo / Portal do Holanda

02/12/2019 21h33 — em Política

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), aproveitou a participação em um evento, na noite desta segunda-feira, 2, para homenagear os nove mortos durante ação da Polícia Militar em um baile funk de Paraisópolis, na zona sul da capital paulista, na madrugada de domingo. O governador, entretanto, criticou o pré-julgamento dos acontecimentos e pediu mais apuração.

"Vou começar fazendo uma homenagem aos familiares das nove pessoas que infelizmente faleceram nessa tragédia. Aos seus familiares e amigos, a minha solidariedade", disse, durante o prêmio Brasileiros do Ano, promovido pelas revistas IstoÉ e IstoÉ Dinheiro, em uma casa de shows em São Paulo. Doria foi premiado como o Brasileiro do Ano na Gestão Pública.

O governador disse que não quer "generalizar" sobre o ocorrido. "Quero registrar também que ao invés de generalizar, vamos investigar, apurar e punir. Jamais generalizar", acrescentou. "Esse país já perdeu muito ao generalizar acusações, fatos e circunstâncias. O que a gente precisa nesse país é equilíbrio", afirmou.

A ação da PM em Paraisópolis trouxe críticas de diversos outros premiados, como a deputada Tabata Amaral (PDT), o apresentador José Luiz Datena e a atriz Paolla Oliveira.

Doria evitou a entrada principal do evento, em meio a um pequeno protesto promovido por três mulheres, que carregavam cartazes com os dizeres "Doria genocida do ano" e "Dallagnol fascista do ano" - em referência ao procurador Deltan Dallagnol, também premiado.

Contatos: [email protected], [email protected] e [email protected]

+ Política