Omar defende remuneração pelo sequestro de carbono

Por

23/03/2012 19h33 — em Amazonas

O governador do Amazonas, Omar Aziz, defendeu  durante o   Fórum Mundial de Sustentabilidade, em Manaus, a necessidade de remuneração pela manutenção da floresta em pé. Segundo Omar Aziz, esta é a proposta a ser levada pelos Estados da Amazônia à Conferência Rio+20, que acontece no mês de junho, no Rio de Janeiro.

O governador Omar Aziz e a presidente do Fundo de Participação Social do Estado (FPS), a primeira dama, Nejmi Aziz, participaram na noite desta sexta-feira, 23 de março, da entrega do Prêmio Lide Sustentabilidade. O evento que fez parte da programação do Fórum Mundial de Sustentabilidade, encerrado neste sábado (24), em Manaus, premiou as quatro empresas brasileiras que se destacam no país, com práticas de responsabilidade socioambiental – Bradesco, Coca-Cola, Natura e o Boticário.

O prêmio foi entregue durante jantar oferecido pelo Governo do Amazonas aos participantes do Fórum, no Centro Cultural Palácio Rio Negro. Entre os convidados estavam o ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso.

Neste domingo, o governador Omar Aziz vai a Belém (PA), onde participa na segunda-feira (26) da Reunião do Fórum dos Governadores da Amazônia, cujo tema é “a construção da agenda amazônica rumo à Rio +20”. Segundo o governador, ele vai defender no evento a aprovação pelo Governo Brasileiro do projeto que cria a compensação financeira pela manutenção da floresta em pé.

O projeto prevê a criação de uma unidade de valor, a Unidade de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal (REDD). A implantação do sistema contribuirá para que as florestas brasileiras sejam vistas como ativos econômicos e , segundo o governador, seria uma forma de recompensar os caboclos, índios e ribeirinhos do Amazonas que ajudam a manter quase 98% da floresta intacta.

“A curto prazo, não tem outra discussão acerca da preservação que não seja a remuneração do sequestro de carbono que as florestas do Amazonas e de toda a Amazônia fazem para o mundo. Por isso é que a remuneração da floresta em pé tem que existir. Nós temos que decidir isso agora, na Rio+ 20”, disse o governador.

NULL

+ Amazonas