Compartilhe este texto

Se Biden vencer, EUA vão perder a Terceira Guerra Mundial, diz Trump

Por Folha de São Paulo

24/02/2024 20h30 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Donald Trump disse neste sábado (24) que se ele ainda fosse o presidente dos Estados Unidos, não haveria guerras na Ucrânia e no Oriente Médio. Além disso, segundo ele, se Joe Biden for reeleito no pleito de novembro e continuar na Casa Branca, haverá uma Terceira Guerra Mundial, na qual Washington será derrotada.

"No meu governo, nós não tivemos guerras durante quatro anos. Eu pude evitar que guerras começassem e trouxe soldados de volta para casa", declarou Trump durante a Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em inglês), evento que reúne as maiores lideranças da direita do mundo, realizado em National Harbor, no estado de Maryland.

Espécie de meca da direita, a CPAC também contou neste ano com discursos de representantes da América Latina, como o presidente da Argentina, Javier Milei, e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP).

O tom antiguerra dominou o pronunciamento de Trump. Ele disse acreditar que, se ainda estivesse no poder, teria sido capaz de evitar a invasão da Ucrânia, que completou dois anos neste sábado, e que Israel não teria sofrido o ataque terrorista do Hamas no 7 de Outubro pois o Irã, principal financiador da facção, estaria "quebrado" devido às sanções econômicas que ele imporia.

Além disso, o empresário afirmou ter sido contra a decisão dos EUA de invadir o Iraque, em 2003, e se gabou de seu papel na campanha contra o Estado Islâmico, derrotado na Síria e no Iraque em 2017. O republicano também descreveu a retirada de tropas americanas do Afeganistão em 2021, já sob Biden, como o "momento mais vergonhoso das nossas vidas", e disse que a China acabou ocupando o lugar dos EUA na região.

"Se Biden tiver mais quatro anos, nós vamos perder a Terceira Guerra Mundial", afirmou o republicano, virtual rival de Biden nas eleições presidenciais de novembro.

Ele também voltou a usar um discurso duro contra imigrantes, comparando-os ao serial killer canibal Hannibal Lecter, personagem do livro e do filme homônimo "O Silêncio dos Inocentes", e criou um cenário praticamente apocalíptico ao dizer que "gangues, o Hamas e os antifas vão dominar as ruas com a sua ideologia brutal".

Como de praxe, Trump criticou os processos que enfrenta na Justiça e acusou o governo Biden de instrumentalizar o Departamento de Justiça e o FBI, a polícia federal americana, para perseguir seus opositores. Ele voltou a dizer que as eleições de 2020 foram roubadas —apesar de ser ele o acusado formalmente por deturpar o resultado das urnas— e disse que Biden é "uma ameaça à democracia", trocando o sinal do principal alerta feito contra ele próprio.

Trump também caçoou do desempenho do democrata em discursos e entrevistas coletivas. "Joe não está apto. Andam dizendo que quem está no comando do país é [o ex-presidente] Barack Hussein Obama", disse. "Como disse [o primeiro-ministro Viktor] Orbán, da Hungria: ‘Ponham Trump de volta no poder e ele consertará o mundo todo", afirmou.

EDUARDO BOLSONARO E JAVIER MILEI

Após o discurso de Trump, foi a vez de Eduardo Bolsonaro subir ao palco. Ele leu um pronunciamento curto em inglês em que criticou as prisões de aliados como Filipe Martins, ex-assessor internacional da Presidência, e Silvinei Vasques, ex-diretor Polícia Rodoviária Federal, acusados, respectivamente, de articulação golpista para impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva e de tentativa de interferência no resultado das eleições brasileiras. Segundo ele, essas pessoas "foram presas por um golpe de Estado que nunca foi tentado".

Ele afirmou que seu pai, Jair Bolsonaro (PL), está sendo perseguido por um "sistema judicial totalitário", e disse que a manifestação convocada pelo ex-presidente para este domingo (25) em São Paulo deve reunir 1 milhão de pessoas.

Bolsonaro chegou a discursar na CPAC do ano passado. Não se sabe se ele foi convidado para a edição deste ano, mas ele não poderia viajar para o exterior pois teve seu passaporte apreendido pela Polícia Federal durante operação deflagrada em 8 de fevereiro.

Em seguida, foi a vez de Milei discursar contra o socialismo, o estatismo e o keynesianismo, ecoando o tom de seu pronunciamento durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, em janeiro.

Em tom professoral, o presidente argentino discorreu em espanhol sobre teoria econômica para criticar as propostas de regulação da economia e defender que os "monopólios geram bem-estar, maiores salários e menores preços".

Milei também pregou contra a "casta política", contra os "meios de comunicação corruptos" e contra a "agenda assassina do aborto". Afirmou ainda que a ideia de justiça social e as políticas de redistribuição de renda resultam, na prática, em perda de renda e aumento da pobreza.

Mimetizando Trump, Milei disse que vai "fazer a Argentina grandiosa novamente" e, sob aplausos da plateia, encerrou o discurso repetindo o slogan "viva la libertad, carajo!"

Outras figuras que compareceram à CPAC incluem o recém-reeleito presidente de El Salvador, Nayib Bukele, o líder do partido espanhol de ultradireita Vox, Santiago Abáscal, e a ex-primeira-ministra conservadora do Reino Unido Liz Truss.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo