Compartilhe este texto

Putin tempera visita ao ditador Kim com exercício militar

Por Folha de São Paulo

18/06/2024 19h30 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Embalado por uma retórica comunista clássica, chamando o ditador Kim Jong-un de camarada, Vladimir Putin desembarcou no início da madrugada de quarta (19, tarde de terça, 18, no Brasil) em Pyongyang. É sua primeira viagem em 24 anos à capital do obscuro regime da Coreia do Norte.

Como cartão de visitas, o presidente ordenou o início de um exercício militar de dez dias com 40 navios e 20 aeronaves de sua Frota do Pacífico em torno de águas da península coreana e do Japão, pontos que concentram quase 80 mil militares americanos.

Putin foi recebido pessoalmente por Kim no aeroporto da capital norte-coreana. Nesta quarta, haverá negociações entre ambos, assinaturas de acordos, concerto de gala, banquete de Estado, talvez um desfile militar e a visita a uma igreja ortodoxa russa. Segundo a agência de notícias estatal local, ambos falaram em tornar a relação uma "fortaleza estratégica".

A viagem é descrita no Ocidente como o aprofundamento de uma relação estratégica e comercial, na qual Kim incrementará o arranjo em que recebe tecnologia espacial e de mísseis russa, além da ocasional limusine presidencial, em troca de munição para Putin empregar na Ucrânia.

Mas a retórica do russo mostra que, se tudo isso pode ser verdade, há ainda outra intenção: evidenciar um aliado da Guerra Fria na versão 2.0 do conflito, no qual a União Soviética cedeu espaço para a China, mas a Rússia segue como parceiro importante deste polo. Do outro lado, segue Washington.

A Coreia do Norte, rival da aliada americana Seul, vive o pior momento de relacionamento com o sul da península dividida pela guerra de 1950-53. Após o fracasso de uma aproximação promovida por Donald Trump após testes de mísseis capazes de atingir os Estados Unidos em 2017, a relação com sul-coreanos e americanos é glacial.

Kim promove exercícios com suas forças capazes de empregar alguma das 50 ogivas nucleares que detém com regularidade, e testa mísseis balísticos quase todo mês. Tem fracassado consistentemente no lançamento de satélites, e é aí onde os russos entram também —em sua viagem ao país de Putin no ano passado, foi recebido numa base espacial.

Como o ditador vive, para todos os efeitos, num sistema congelado politicamente nos anos 1950, faz todo sentido o tom adotado por Putin em sua carta ao líder, publicada na primeira página do Rodong Sinmun, o jornal oficial do regime.

"Camarada Kim", escreveu o russo ao ditador, usando a expressão que até hoje é empregada por russos que viveram os tempos soviéticos. "A Rússia sempre apoiou e vai continuar apoiando a República Democrática Popular da Coreia e o heroico povo coreano na sua oposição a inimigo insidioso, agressivo e perigoso", disse Putin, falando dos EUA.

Depois, disse que os americanos têm ameaçado a estabilidade na Eurásia ao expandir sua atuação, remetendo ao aumento da assertividade nuclear da aliança entre Joe Biden e a Coreia do Sul, para ficar nas preocupações de Kim.

Os exercícios de Putin miram mostrar que suas forças estão vivas no Pacífico, onde costumam operar em conjunto com a aliada China. É a segunda demonstração do tipo em uma semana: na segunda (17), uma flotilha russa de ataque deixou Havana, em Cuba, após cinco dias em exercícios militares no Caribe, quintal estratégico dos EUA.

O fundador da ditadura norte-coreana, Kim Il-sung, avô do líder atual, encabeçou o conflito congelado há quase 71 anos com o sul capitalista da península coreana com forte apoio soviético e chinês. Após o fim da Guerra Fria, Moscou se afastou de Pyongyang e aprovou sanções na ONU contra o regime, mas agora o jogo voltou algumas casas.

Putin mesmo só havia visitado uma vez o país, em 2000, quando encontrou-se com o pai do ditador, Kim Jong-il. Agora, deverá passar a noite em uma hospedagem para chefes de Estado construída para a recepção ao chinês Xi Jinping em 2019, ao lado do monumento em homenagem aos dois Kims, pai e avô do atual.

Putin assume um pouco o papel de Xi, nesse sentido, dado que o chinês mantém uma distância regulamentar de Kim devido a sua interdependência comercial e financeira com o Ocidente. A Rússia, sujeita a sanções duras como Pyongyang, tem pouco a perder com a demonstração de amizade.

Isso não tira o peso chinês da equação: o país responde por 90% do comércio exterior da Coreia do Norte. De seu lado, o ditador chamou a invasão do país de Volodimir Zelenski de "guerra sagrada do povo russo".

Antes de ir a Pyongyang, Putin voou de Moscou a Iakutsk, no Extremo Oriente russo, onde se encontrou com autoridades e moradores.

Depois, sua comitiva de ao menos três quadrimotores Iliúchin Il-96 decolou, sendo a trinca de aviões mais seguida no site de rastreamento Flightradar24 no dia —eles vão em fila levando uma comitiva que inclui o chanceler Serguei Lavrov e o ministro da Defesa, Andrei Belousov, além de equipamentos como limusines. Para despistar eventuais inimigos, ninguém sabe em qual avião vai o presidente.

A visita de Putin ocorre após a cúpula de paz convocada pela Suíça no fim de semana redundar numa reunião de quem já apoiava a Ucrânia. Os russos, que não foram chamados, celebraram a falta de consenso em torno de um comunicado final do evento.

Criticados por faltar e acusados na segunda pela Otan, a aliança militar ocidental, de apoiar a guerra russa, os chineses responderam em tom inusualmente duro nesta terça. "Aconselhamos a Otan a parar de jogar a culpa [nos outros pela continuidade da guerra] e plantar discórdia, e sim fazer algo prático para a solução política da crise", afirmou o porta-voz Lin Jian.

Na sequência, Putin irá nesta quarta (19) ao Vietnã, país que mantém relações com o Ocidente, mas recusou participar do encontro suíço.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo