Jerusalém Oriental: após batalha legal, palestinos correm risco de perder casas

Por Estadão Conteúdo / Portal do Holanda

10/05/2021 9h50 — em Mundo

Diversas famílias palestinas enfrentam um despejo iminente no bairro de Sheikh Jarrah, em Jerusalém Oriental. A situação difícil das famílias gerou semanas de manifestações e confrontos nos últimos dias entre os manifestantes e a polícia israelense. Ela também destaca uma série de políticas discriminatórias que grupos de direitos humanos dizem ter como objetivo expulsar os palestinos de Jerusalém para preservar sua maioria judaica. O grupo israelense de direitos humanos B'Tselem e a Human Rights Watch, com sede em Nova York, apontaram essas políticas como um exemplo do que eles dizem ter se tornado um regime de apartheid.

Israel rejeita essas acusações e diz que a situação em Sheikh Jarrah é uma disputa imobiliária privada que os palestinos aproveitaram para incitar a violência. Um alto funcionário municipal e um grupo de colonos que comercializam "lotes residenciais" em Sheikh Jarrah não responderam aos pedidos de comentários.

Grupos de colonos dizem que a terra era propriedade de judeus antes da guerra de 1948 em torno da criação de Israel. A lei israelense permite que os judeus recuperem essas terras, mas impede que os palestinos recuperem propriedades que perderam na mesma guerra, mesmo que ainda residam em áreas controladas por Israel.

Os pais de Samira Dajani fugiram em 1948 de sua casa em Baka - agora um bairro nobre em Jerusalém Ocidental predominantemente judaica. Depois de passar vários anos como refugiados na Jordânia, Síria e Jerusalém Oriental, que era então controlada pela Jordânia, as autoridades jordanianas ofereceram a eles uma das várias casas recém-construídas em Sheikh Jarrah em troca de desistir de seu status de refugiado.

"Tenho lindas lembranças desta casa", diz Dajani, agora com 70 anos, lembrando como brincava com as outras crianças do bairro, onde várias outras famílias de refugiados palestinos também haviam sido reassentadas. "Foi como o paraíso depois do nosso êxodo."

As coisas mudaram depois que Israel anexou Jerusalém Oriental, junto com a Cisjordânia e Gaza, na guerra do Oriente Médio de 1967, em um movimento não reconhecido internacionalmente. Os palestinos querem todos os três territórios para seu futuro Estado e veem Jerusalém Oriental como sua capital.

Em 1972, grupos de colonos disseram às famílias que estavam invadindo terras de propriedade de judeus. Esse foi o início de uma longa batalha legal que nos últimos meses culminou com ordens de despejo contra 36 famílias em Sheikh Jarrah e dois outros bairros de Jerusalém Oriental. Grupos de direitos autorais israelenses dizem que outras famílias também são vulneráveis, estimando que mais de mil palestinos correm o risco de serem despejados. Os Dajanis e outras famílias foram obrigados a partir até 1º de agosto.

Uma audiência da Suprema Corte no caso de outras quatro famílias que deveria tratar do tema foi adiada por pelo menos um mês. Se perderem o recurso, podem ser despejados à força em alguns dias ou semanas.

Bairros lotados

A maior parte dos 350 mil residentes palestinos de Jerusalém Oriental estão amontoados em bairros superlotados, onde há pouco espaço para construir. Os palestinos dizem que o custo e a dificuldade de obter licenças os força a construir ilegalmente ou se mudar para a Cisjordânia ocupada, onde correm o risco de perder sua residência em Jerusalém. Grupos de direitos israelenses estimam que das 40.000 casas em bairros palestinos, metade foram construídas sem autorização e estão sob risco de demolição.

Em parte devido aos protestos, Israel está sob pressão internacional por causa do Sheik Jarrah, com os Estados Unidos e a União Europeia expressando preocupação. Grupos de direitos humanos dizem que o governo pode suspender ou adiar os despejos, se quiser. Fonte: Associated Press.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Mundo