Compartilhe este texto

Henry Kissinger defende que Ucrânia ceda parte de seu território para encerrar guerra

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

24/05/2022 12h36 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Henry Kissinger, célebre ex-secretário de Estado dos EUA, fez um discurso em Davos, no Fórum Econômico Mundial, em que indicou que a Ucrânia deveria abrir mão de parte do seu território para encerrar a guerra contra a Rússia.

Kissinger, 98, também aconselhou o Ocidente a diminuir a pressão sobre Moscou, sob risco de restabelecer diferenças tão profundas quanto as da Guerra Fria.

"As negociações [entre Moscou e Kiev] precisam começar nos próximos dois meses antes que criem reviravoltas e tensões que não serão facilmente superadas", disse Kissinger. "Idealmente, a linha divisória deveria ser um retorno ao status quo anterior. Prosseguir a guerra além desse ponto não seria sobre a liberdade da Ucrânia, mas uma nova guerra contra a própria Rússia."

O status quo a que Kissinger se refere é o cenário anterior à guerra, que completou três meses nesta terça-feira (24). Inferiu-se, portanto, que o americano defende que a Ucrânia deveria abrir mão da Crimeia —anexada pela Rússia em 2014— e de parte do Donbass, onde separatistas pró-Moscou disputam território com Kiev e proclamaram duas repúblicas independentes.

Kissinger também deu um recado aos países do Ocidente, alertando que a busca pela imposição de uma derrota sobre a Rússia pode desestabilizar as estruturas de poder da Europa. Disse ainda que isso representaria um risco de deixar Moscou mais próxima da China.

"Espero que os ucranianos correspondam com sabedoria ao heroísmo que eles têm demonstrado", disse, acrescentando que é mais apropriado à Ucrânia ser um Estado neutro do que um país totalmente integrado à Europa.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo