França prende suspeito de participar do assassinato de jornalista saudita

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

07/12/2021 15h35 — em Mundo

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A polícia francesa prendeu, nesta terça-feira (7), um dos suspeitos de participar do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, crítico do regime do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman.

Segundo fontes contaram à agência de notícias Reuters, Khaled Aedh Al-Otaibi -ex-guarda real da Arábia Saudita- foi detido no aeroporto Roissy, perto de Paris, momentos antes de embarcar para Riad, capital do país árabe.

Acredita-se que o assassinato tenha ocorrido em 2 de outubro de 2018, última vez que o jornalista foi visto, dentro da embaixada da Arábia Saudita em Istambul. Na ocasião, Khashoggi foi esquartejado, mas até hoje seus restos mortais não foram encontrados.

A prisão ocorrida nesta terça tem como base um mandado emitido pela Turquia em 2019 e, a partir de agora, promotores franceses devem iniciar um processo de extradição do suspeito. Ainda não está claro como ou quando ele chegou à França.

Al-Otaibi também já era alvo de sanções do Reino Unido, que o acusa de fazer "parte da equipe de 15 homens enviada à Turquia pelas autoridades sauditas", diz um relatório do governo britânico. De acordo com o mesmo documento, o suspeito esteve envolvido na ocultação de provas na residência do cônsul-geral saudita.

Um relatório da CIA, a agência de inteligência americana, concluiu, cerca de um mês depois do assassinato que a morte foi ordenada por Bin Salman, mas a procuradoria-geral saudita negou o envolvimento do líder e culpou um grupo de agentes enviados a Istambul para repatriar Khashoggi.

A operação teria então saído do controle quando o jornalista foi amarrado e recebeu uma injeção com grande quantidade de uma droga que lhe causou overdose. Khashoggi estava ali para pegar documentos necessários para seu casamento com uma mulher turca.

Segundo a CIA, o irmão do príncipe Khalid bin Salman, embaixador saudita nos EUA, ligou para o jornalista dias antes e o aconselhou a ir ao consulado em Istambul para pegar os documentos, dando a ele garantias de que estaria seguro.

Não está claro se Khalid sabia do plano para matar Khashoggi, mas a ligação teria sido ordenada por Bin Salman. "Não há como isso [o assassinato] ter acontecido sem ele estar consciente ou envolvido", disse uma autoridade americana à época sobre o príncipe saudita.

A prisão desta terça ocorre três dias depois de o presidente francês Emmanuel Macron se reunir, na Arábia Saudita, com Bin Salman. O encontro foi apontado pela Reuters como o primeiro em terras sauditas envolvendo grandes líderes ocidentais, desde o assassinato de Khashoggi.

O presidente Jair Bolsonaro já havia visitado o país em outubro de 2019, quando se reuniu com o príncipe saudita. Na ocasião, o brasileiro afirmou ter muita "afinidade" com Bin Salman.

Macron rejeitou na semana passada acusações de que estaria legitimando o príncipe herdeiro e disse que as diversas crises da região não poderiam ser resolvidas ignorando a Arábia Saudita.

A França é um dos principais fornecedores de armas do país árabe, mas tem enfrentado pressão para rever suas vendas devido à coalizão liderada pelos sauditas que luta contra rebeldes apoiados pelo Irã no Iêmen -guerra que deu origem a uma das piores crises humanitárias do mundo.

Procurados pela Reuters, o Ministério do Interior francês e a embaixada saudita em Paris não quiseram comentar a prisão desta terça. Já uma autoridade saudita disse que a prisão é "um caso de identidade trocada".

Nesta tarde, a organização não governamental Repórteres Sem Fronteiras comemorou a detenção do suspeito. "Excelente notícia de que a polícia francesa não fez vista grossa à presença de Khaled Al-Otaibi", disse o diretor-geral da instituição, Christophe Deloire.

A noiva de Khashoggi, Hatice Cengiz, também celebrou a notícia e pediu o julgamento do suspeito em território francês ou a extradição "para um país capaz e disposto a, genuinamente, investigá-lo e processá-lo, bem como a pessoa que deu a ordem" para o assassinato.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Mundo