Compartilhe este texto

EUA vetaram resolução sobre Gaza porque trégua não resolve guerra, diz Blinken

Por Folha de São Paulo

22/02/2024 19h00 — em
Mundo



RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O secretário de Estado americano, Antony Blinken, disse que o motivo pelo qual os Estados Unidos vetaram a terceira resolução apresentada ao Conselho de Segurança da ONU pedindo um cessar-fogo na Faixa de Gaza é que ela não colocaria um fim efetivo na guerra Israel-Hamas.

A declaração foi dada nesta quinta-feira (22) pelo chefe da diplomacia americana após o fim da reunião de chanceleres do G20, no Rio de Janeiro.

"Essa resolução não resultaria por si só num cessar-fogo. A questão é: qual a forma mais efetiva de avançar [numa solução]? Uma forma de que os reféns [israelenses sequestrados pelo Hamas] sejam liberados, que uma pausa humanitária seja estendida e que, mais importante, que leve ao fim do conflito", disse Blinken. "O melhor caminho para isso é exatamente que estamos fazendo agora, que é trabalhar intensamente por um acordo na liberação dos reféns."

Como membro permanente do Conselho de Segurança, ao lado de China, Rússia, Reino Unido e França, os EUA têm poder de veto. A delegação americana foi a única a se posicionar contra a proposta, feita pela Argélia e que teve adesão de 13 países do conselho; os britânicos preferiram se abster.

"Esta resolução em particular tinha duas questões. A primeira era que não falava sobre os reféns. A segunda foi o timing, já que, no momento atual, em que a prioridade é os reféns, qualquer coisa que atrapalhe isso é contraproducente", disse Blinken.

Nos bastidores, os EUA propuseram uma versão alternativa a uma resolução do Conselho de Segurança na qual se opõem a uma invasão em larga escala do Exército de Israel em Rafah, cidade que concentra os deslocados internos pelo conflito, segundo a agência de notícias Reuters. Um alto funcionário do governo Biden afirmou à agência, porém, que não há pressa em votar a resolução e que a ideia é continuar com negociações.

No Rio, o secretário de Estado disse ainda que o desejo de Washington é conseguir chegar a um acordo de paz duradouro entre Israel e a Palestina. Durante o encontro do G20, ele apontou que um caminho para isso é a construção de um Estado palestino --a chamada solução de dois Estados.

No entanto, o americano condicionou qualquer possibilidade de pausa nos ataques de Israel à Gaza à soltura dos reféns. Desde outubro, quando houve o ataque terrorista do Hamas a civis israelenses, cerca de 30 mil palestinos foram mortos em ofensivas do país de Binyamin Netanyahu.

DISCORDÂNCIA PROFUNDA COM FALA DE LULA

Ainda durante a entrevista a jornalistas nesta tarde, Blinken comentou sobre a declaração do presidente Lula (PT), na qual o brasileiro comparou a situação em gaza ao Holocausto.

"Sobre a comparação de situação em Gaza com o Holocausto, nós discordamos profundamente", disse. "Mas isso é algo que amigos fazem, nós podemos ter discordâncias, até mesmo profundas, sobre uma questão ou aspecto específico e mesmo assim continuar o trabalho vital que estamos fazendo juntos."

No encontro que teve com Lula, na quarta-feira (21), Blinken também apontou uma segunda divergência com o presidente brasileiro. O americano afirmou que não vê um genocídio acontecendo no território palestino.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo