Com popularidade em baixa e pressionado, Johnson troca ministros no Reino Unido

Por Estadão Conteúdo / Portal do Holanda

15/09/2021 15h40 — em Mundo

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, rebaixou seu chanceler e demitiu seu ministro da Educação em uma grande mudança de gabinete nesta quarta-feira, 15. Com a iniciativa, o líder tenta superar uma série de erros políticos e reavivar sua promessa de "aumentar o nível" de prosperidade econômica em todo o Reino Unido.

Na maior mudança, Johnson destituiu o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab, que enfrentou críticas por sua demora em retornar de um feriado na Grécia quando o Taleban assumiu o controle do Afeganistão no mês passado.

Raab passará a ser secretário da Justiça com o título adicional de vice-primeiro-ministro. Apesar do grande título, isso significa um rebaixamento - o vice não tem um papel constitucional formal.

A nova ministra das Relações Exteriores é a ex-secretária de Comércio Internacional Liz Truss, uma das favoritas das bases do Partido Conservador, que ganhou elogios por seu trabalho na negociação de acordos comerciais com a Austrália e o Japão desde que o Reino Unido deixou a União Europeia no ano passado. Truss, que é a segunda mulher a ocupar esse cargo no país, também permanecerá como ministra das Mulheres e Igualdade. Anne-Marie Trevelyan substituiu Truss como ministra do Comércio Internacional.

Não houve outras mudanças nos quatro primeiros cargos do gabinete, com Rishi Sunak permanecendo como chefe do Tesouro e Priti Patel como secretária do Interior. O secretário de Defesa Ben Wallace também manteve seu emprego. Ele foi elogiado por seu trabalho de supervisão na retirada de milhares de cidadãos britânicos e seus aliados afegãos de Cabul no mês passado.

O secretário de Saúde Sajid Javid, que tem um cargo importante na liderança da resposta à pandemia do Reino Unido, também permaneceu em seu posto.

Johnson demitiu o secretário de Educação Gavin Williamson, que foi criticado por seu desempenho durante a pandemia, que viu longos períodos de fechamento de escolas, mudanças repentinas nas políticas e cancelamento de exames importantes para entrar na universidade por dois anos consecutivos.

Williamson foi substituído por Nadhim Zahawi, que atuou como ministro de vacinas, responsável por inocular o país contra o coronavírus.

Michael Gove, um aliado de longa data de Johnson, foi nomeado secretário de Estado da Habitação, Comunidades e Governo Local. O departamento é a chave para o objetivo de Johnson de "nivelar" o Reino Unido, espalhando prosperidade além do sul rico que é o coração conservador tradicional. Essa promessa ajudou Johnson a obter uma grande vitória eleitoral em 2019 ao ganhar votos em partes dominadas pelo Partido Trabalhista no norte da Inglaterra.

Nadine Dorries foi promovida a chefe do Departamento de Cultura, Mídia e Esporte, uma posição que a verá lidar com questões espinhosas como o futuro da BBC com financiamento público. Uma política franca que muitas vezes ganhou as manchetes, Dorries foi suspensa pelo Partido Conservador por tirar um tempo de seu trabalho como legisladora para aparecer no reality show "Eu sou uma celebridade ... Tire-me daqui", filmado na Austrália.

Johnson fez grandes mudanças em seu gabinete logo após sua vitória nas eleições de dezembro de 2019, quando afastou legisladores considerados insuficientemente leais ou indiferentes em seu apoio ao Brexit. Isso deu a ele uma equipe de alto escalão fortemente pró-Brexit, mas os críticos dizem que isso deixou muitos legisladores ambiciosos e competentes fora do governo.

O gabinete de Johnson informou que as mudanças do primeiro-ministro nesta quarta-feira levariam a "uma equipe forte e unida para se recuperar melhor da pandemia". As mudanças de gabinete devem continuar na quinta-feira.

Tony Travers, um especialista político da London School of Economics, disse que o momento dessa remodelação provavelmente teve a ver com o fim do pior da pandemia. Ele observou que, de modo geral, os conservadores no governo se saíram bem nas pesquisas durante a pandemia, o que ajudou a dar a eles uma espécie de "poderes de emergência em tempo de guerra".

"Mas, com o retorno da política normal, é mais necessário ter uma equipe de ministros de aparência mais robusta e menos propensa a cometer erros", disse Travers.

Uma recente pesquisa YouGov para o Times de Londres mostrou que o apoio aos conservadores caiu cinco pontos para 33%; a pesquisa colocou o Partido Trabalhista, da oposição, na liderança - pela primeira vez desde janeiro - com 35%.

Johnson depende do apoio de legisladores na Câmara dos Comuns. "E a principal razão pela qual gostam dele é que ele vence eleições e entregou o Brexit", disse Travers. "Se ele ficar para trás (nas pesquisas), será um desastre para ele. Contra isso, é importante não deixar os trabalhistas irem muito longe." (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Mundo