Compartilhe este texto

China condena ativista do movimento MeToo a 5 anos de prisão, dizem apoiadores

Por Folha de São Paulo

14/06/2024 9h30 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma jornalista chinesa que tentou divulgar o movimento MeToo no país asiático foi condenada, nesta sexta-feira (14), a cinco anos de prisão —pena máxima pelo crime de incitar a "subversão do poder do Estado", do qual foi acusada.

As informações foram divulgadas por apoiadores da ativista, segundo os quais ela vai recorrer da decisão.

Sophia Huang Xueqin está presa desde 2021, quando foi detida após receber uma bolsa para estudar no Reino Unido. Ela ajudou a difundir em seu país o movimento global contra o assédio ao descrever nas redes sociais a sua experiência quando ainda era uma jovem jornalista em uma agência chinesa de notícias.

O ativista trabalhista Wang Jianbing, 40, que foi preso no mesmo dia da detenção de Huang, também recebeu o veredicto nesta sexta. Embora seja alvo da mesma acusação, Wang foi condenado a três anos e seis meses de prisão. Ainda não está claro se ele vai recorrer.

A sentença foi divulgada na véspera do dia em que eles completarão mil dias presos.

Para um porta-voz do grupo Liberdade para Huang Xueqin e Wang Jianbing, que pediu para permanecer em anonimato ao falar com agência de notícias Reuters, as autoridades chinesas estão usando a segurança nacional como pretexto para reprimir ativistas de bem-estar social e negar as vozes moderadas da sociedade civil.

Já a organização Anistia Internacional denunciou as "sentenças maliciosas e totalmente infundadas" e exigiu a libertação imediata dos ativistas.

"Essas condenações prolongarão sua detenção profundamente injusta e terão um efeito ainda mais intimidador sobre os direitos humanos e a defesa social em um país onde os ativistas enfrentam crescentes repressões estatais", afirmou Sarah Brooks, diretora da ONG para a China.

A acusação de "incitar à subversão do poder do Estado" é frequentemente usada pelo regime chinês contra dissidentes. As sentenças levam em conta o tempo já cumprido em privação de liberdade.

Uma cópia do veredicto compartilhada com a Reuters afirmou que a natureza das ações de Huang e Wang, bem como o "grau de dano causado à sociedade", determinaram suas sentenças.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Lin Jian, disse que a nação é baseada no Estado de Direito e que qualquer pessoa que violar a lei será punida. "A China se opõe firmemente a qualquer país ou organização que desafie sua soberania judicial", disse ele.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo