Compartilhe este texto

Ataque a shopping na Ucrânia deixa ao menos 18 mortos, e Rússia nega autoria

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

28/06/2022 8h05 — em
Mundo



SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Pelo menos 18 pessoas morreram e mais 59 ficaram feridas após um ataque com mísseis da Rússia nesta segunda-feira (27) a um shopping em Kremenchuk, na Ucrânia. Os números foram atualizados por Kiev em novo balanço divulgado nesta terça-feira (28).

"É um ato de terrorismo contra civis", afirmou o governador regional, Dmitro Lunin. A mensagem sugere que não havia alvos militares que a Rússia poderia estar mirando nas proximidades do shopping.

O exército russo afirmou que atacou um depósito de armas em Kremenchuk, o que provocou explosões que incendiaram um centro comercial que, segundo as autoridades, estava fechado.

"As explosões de munição para armas ocidentais provocaram um incêndio no shopping próximo, que não estava operacional no momento", afirmou o exército em comunicado.

O ataque foi relatado pelo presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, mais cedo ao afirmar que um estabelecimento comercial lotado havia sido atingido pela artilharia russa.

Em uma mensagem no Telegram, o presidente disse que mais de 1.000 pessoas estavam no centro comercial no momento do ataque. Ele não deu detalhes sobre as mortes, mas disse que "é impossível sequer imaginar o número de vítimas". "É inútil esperar da Rússia a decência e a humanidade", escreveu.

"O ataque russo de hoje contra um shopping center em Kremenchuk é um dos atos terroristas mais escancarados da história europeia. Uma cidade pacífica, um centro comercial comum, onde havia mulheres, crianças, civis comuns", disse Zelenski em vídeo publicado no Telegram.

Pelas redes sociais, o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia compartilhou o relato de Zelenski com um vídeo do shopping em chamas e uma densa fumaça escura saindo do local. "Os ocupantes dispararam foguetes contra o shopping, onde havia mais de mil civis. O shopping está pegando fogo, os socorristas estão combatendo o fogo, o número de vítimas é impossível de imaginar", diz a publicação.

Pelas redes sociais, Lunin condenou o ataque, o classificando como um "crime de guerra" e um "crime contra a humanidade". Para o governador, os disparos também foram um "ato de terror não dissimulado e cínico contra a população civil".

Kremenchuk, uma cidade industrial de 217.000 habitantes antes da invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, é o local da maior refinaria de petróleo da Ucrânia.

ATAQUE A PRÉDIO RESIDENCIAL

Neste final de semana, a Ucrânia também acusou a Rússia de atacar um prédio residencial de nove andares em Kiev, capital do país. Segundo autoridades ucranianas, um jardim de infância também teria sido atingido.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitshko, disse que uma pessoa morreu e seis ficaram feridas. Quatro delas foram hospitalizadas, incluindo uma menina de sete anos que foi resgatada dos escombros.

Moscou respondeu as acusações da Ucrânia e afirmou que bombardeou uma fábrica de mísseis, chamando de "falsos" os relatos de que o ataque atingiu uma área residencial.

De acordo com o Ministério da Defesa russo, o alvo foi a fábrica de armas Artiom, que se enquadra na categoria de instalações de "infraestrutura militar" que Moscou alega estar atacando.

G7 CLASSIOFICA ATAQUE COMO "CRIME DE GUERRA"

De acordo com a agência de notícias AFP, os dirigentes internacionais do G7 reagiram a esse ataque russo qualificando-o como "crime de guerra". Em cúpula, os líderes "condenam de forma solene o ataque abominável" e afirmam que Putin terá de "prestar contas".

"Os ataques indiscriminados contra civis inocentes constituem um crime de guerra", afirmaram.



O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Mundo

+ Mundo