.
Siga o Portal do Holanda

Mundo

Holandesa de 90 anos luta em SP para manter viva memória de sua amiga Anne Frank

Publicado

em

Vazamento seletivo da “Operação Sangria”


Nas últimas duas décadas, a holandesa Nanette Blitz Konig, de 90 anos, tem se dedicado a relatar os horrores que testemunhou na 2ª Guerra Mundial, em especial sua relação com uma importante personagem.

Nanette foi amiga de escola de Anne Frank e as duas estudaram juntas no Liceu Judaico, em 1941, em Amsterdã. "Ela era muito inteligente e gostava de escrever", relembra a amiga, que até a idade compartilhava com Anne. Nesta quarta-feira, 12, ela faria 90 anos. Justamente nesta data, Nanette será a homenageada em um evento no Memorial da Imigração Judaica e do Holocausto, em São Paulo.

Antes da guerra, as duas viviam o cotidiano de jovens estudantes judaicas em Amsterdã. Com a invasão nazista da Holanda, Nanette e sua família foram levadas para campos de concentração e extermínio, nos quais apenas ela sobreviveu. Anne e sua família, por sua vez, conseguiram se esconder por dois anos em um quarto oculto antes de serem entregues à polícia alemã por uma denúncia anônima, nunca esclarecida.

Nanette foi uma das últimas pessoas próximas a Anne a vê-la viva. As duas se reencontraram no campo de Bergen-Belsen em 1945 poucos meses antes do fim da guerra e de Anne morrer acometida pelo tifo. Nanette conta ter visto a amiga e sua irmã Margot através de arames farpados que separavam o campo. Por não aguentar mais tantos piolhos nas roupas, Anne estava enrolada apenas em um cobertor.

O tifo também atingiu Nanette. Quando foi resgatada, a holandesa, que também contraiu uma tuberculose, pesava menos de 30 quilos e precisou ficar três anos em tratamento médico. Internada em um hospital, recebeu a visita do pai de Anne, Otto Frank, que queria saber qualquer coisa sobre o que acontecera à filha. Mais tarde, ele deu a Nanette um exemplar do livro escrito pela filha, que se tornaria um dos mais importantes relatos do Holocausto.

Salva pelo major britânico Leonard Berney, Nanette reencontrou parentes e reconstruiu a vida na Inglaterra. Sua família pediu que ela nunca mencionasse o que aconteceu, acreditando que isso a ajudaria a superar o trauma da guerra.

As lembranças ficaram guardadas até que Nanette conheceu John, um húngaro que vivia em Londres e se tornaria seu marido, pai de seus três filhos e grande confidente. O casal vive em uma calma e arborizada rua de São Paulo desde os anos 50, quando se mudou para o Brasil para viver perto de parentes dele.

"Estava um lindo dia de sol, desses poucos que se tem em Londres, quando eu a vi pela primeira vez", lembra o dedicado marido, que delicadamente ajuda a mulher a contar na entrevista os detalhes das histórias que passou a conhecer como se fossem suas e que agora começam a faltar na memória de Nanette.

Essas mesmas histórias Nanette usou para falar da importância de se combater o racismo e a discriminação a jovens estudantes, especialmente em um grupo de escolas públicas que levam o nome da amiga. "Eles se identificam", relata Nanette ao falar sobre os depoimentos que recebe de estudantes das periferias, lembrando episódios de discriminação e racismo.

Parte de suas histórias também estão no documentário The Classmates of Anne Frank, de Theo Coster, que será exibido na homenagem desta quarta-feira, uma iniciativa do Instituto Plataforma Brasil e Casa Anne Frank em parceria com a Confederação Israelita no Brasil (Conib) e Consulado Geral dos Países Baixos. O documentário conta a história de cinco jovens sobreviventes da classe de Anne, incluindo Coster.

Questionada sobre por que ainda se esforça para lembrar a história de Anne e do Holocausto, Nanette é taxativa: "Porque é necessário".



Já leu estas ?

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.