.
Siga o Portal do Holanda

Mundo

70% dos brasileiros reprovam indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada, diz Datafolha

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O plano do presidente Jair Bolsonaro de indicar seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para o cargo de embaixador em Washington é reprovado por 70% dos brasileiros, aponta pesquisa Datafolha.

Segundo o levantamento, apenas 23% consideram que o mandatário brasileiro está agindo bem ao indicar o filho.

A indicação de Eduardo foi anunciada em julho, mas ainda não foi oficializada. O processo depende de aprovação no Senado, e o governo, com temor de não conseguir os votos necessários para a aprovação, postergou o início do processo. 

Para ser efetivado, o nome do indicado precisa ser apreciado pela Comissão de Relações Exteriores do Senado e aprovado no plenário da Casa por mais da metade dos parlamentares presentes. Não há data prevista para que as votações aconteçam.

Logo após anunciar o desejo de indicar o filho, Bolsonaro sofreu críticas, inclusive de parlamentares que apoiam o seu governo, levantando discussões jurídicas sobre a classificação do caso como nepotismo.

A ideia sofre alta rejeição em praticamente todos os estratos pesquisados, com exceção dos simpatizantes do PSL (64% de apoio) e entre os que classificam o governo Bolsonaro como ótimo/bom (54%).

A visão contrária à indicação é maior entre os jovens de 16 a 24 anos (74%), funcionários públicos (81%) e estudantes (78%).

A rejeição à ideia é menor entre pessoas com mais de 60 anos (26% acham que Bolsonaro está agindo bem), empresários (36%) e donas de casa (29%).

Entre as regiões do país, a ideia foi mais mal recebida no Nordeste (76% contra) e no Sudeste (71%). Tanto no Sul quanto no Norte e no Centro-oeste, 65% se opõem à nomeação.

Na divisão por partidos políticos, 89% dos simpatizantes do PT e 68% dos simpatizantes do PSDB reprovam a ideia. Entre aqueles que se identificam com o MDB, o percentual vai a 69%, mesmo índice daqueles que declaram não ter preferência por uma legenda. 

Entre os eleitores de Bolsonaro em 2018, 53% avaliam que o presidente agiu mal ao indicar o filho, e 40% acham que ele agiu bem. Já entre quem votou em Fernando Haddad (PT), 88% rejeitam a indicação e 9% a apoiam.

No recorte por religião, a proposta sofre mais críticas de ateus (95%) e espíritas (80%). Entre os evangélicos, 61% são contrários. Se considerarmos as subdivisões das denominações evangélicas, o estrato que mais apoia a ideia do presidente é o de neopetencostais (44%).

O percentual de 70% dos que desaprovam a ideia de indicar Eduardo ao posto é equivalente ao índice dos que avaliam de forma negativa as ações dos filhos de Bolsonaro para o governo.

Para 70%, os filhos do presidente mais atrapalham do que ajudam.

A pesquisa foi feita entre os dias 29 e 30 de agosto e ouviu 2.878 pessoas em 175 municípios de todo o país. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, dentro do nível de confiança de 95%. 

Na sexta (30), Eduardo viajou a Washington e se reuniu durante 30 minutos na Casa Branca com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Não houve anúncio de nenhuma medida após o encontro. 

A reunião, no entanto, mostrou o que Eduardo e Jair Bolsonaro queriam: acesso ao presidente americano.

O mandatário brasileiro havia ligado para Trump na semana passada em meio à crise internacional reverberada com as queimadas na Amazônia.

Em meio a pedidos que o americano impedisse o presidente francês, Emmanuel Macron, de capitalizar qualquer proposta de solução aos incêndios na floresta, começou a costurar a reunião em Washington.

Nesta terça-feira (3), Bolsonaro voltou a falar do encontro, dizendo que o mérito do acesso rápido ao presidente americano foi do filho.

"Com todo o respeito ao [chanceler] Ernesto [Araújo], o Eduardo esteve agora nos EUA, e o Trump está alinhado conosco", afirmou. 

No final de julho, o presidente dos EUA disse que estava "muito feliz" com a indicação de Eduardo para a embaixada em Washington e que não considera que houve nepotismo. 

Eduardo foi o deputado federal mais votado do país na história. Ele teve 1.843.735 votos na eleição de 2018.

Ordem para Polícia fazer uso de recursos letais estimula desejo de matar

Já leu estas ?

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.