Siga o Portal do Holanda

Tecnologia

Sair em foto fazendo sinal da paz pode permitir que seu celular seja invadido

Publicado

em

Foto: Reprodução Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Da próxima vez que você considerar fazer o sinal de paz e amor para sair em uma foto, pense novamente. De acordo com uma equipe de pesquisadores do Instituto Nacional de Informática do Japão (NII, na sigla em inglês), isso pode ser suficiente para que os seus dados biométricos sejam roubados e o seu smartphone seja acessado por pessoas mal intencionadas.

O pesquisador Isao Echizen, do NII, disse ao Sankei Shinbun (um jornal japonês) que sua equipe de pesquisa foi capaz de "roubar" as impressões digitais de uma pessoa a partir de uma foto na qual ela fazia o sinal da paz. A foto havia sido tirada com uma câmera digital a uma distância de aproximadamente três metros, com as pontas dos dedos em foco e iluminação forte. 

Segundo a agência France Press, Echizen acrescentou que não é necessário ter tecnologia muito avançada para conseguir reproduzir as impressões digitais de uma pessoa a partir de uma foto. De posse da impressão digital e do dispositivo da pessoa, um indivíduo mal intencionado poderia ter acesso aos dados pessoais gravados no aparelho. 

Método testado

A pesquisa de Echizen não é o primeiro indício de que métodos de identificação biométrica podem ser burlados usando imagens.

Nos Estados Unidos, a própria polícia já utilizou esse método em investigações. Em agosto de 2016, pesquisadores da Universidade Estadual de Michigan se aliaram aos agentes para destravar o Galaxy S6 de uma vítima de homicídio usando "dedos" impressos em 3D. A polícia suspeitava de que o dispositivo pudesse conter informações sobre o crime, e conseguiu ter acesso a ele usando um modelo criado a partir de imagens das impressões digitais da vítima.

Proteção

Para se proteger contra esse tipo de risco, o pesquisador informou que ele e sua equipe estão desenvolvendo uma película protetora para os dedos. Feita com óxido de titânio, a película permite que o usuário destrave seu aparelho mesmo enquanto a estiver utilizando, mas impede que suas impressões digitais sejam capturadas em fotos. No entanto, ele só deve ser lançado daqui a aproximadamente dois anos.

Empresas de verificação biométrica também poderiam combater a vulnerabilidade aumentando a resolução na qual escaneiam as impressões digitais. Segundo Chaikin, o padrão é escanear em uma resolução de 500 dpi (pontos por polegada), mas é possível ir a até 2.000 dpi para impedir que esse método seja utilizado. Fonte: Olhar Digital.

O amigo que optou por morrer na escola

Já leu estas ?

Para compartilhar este conteúdo, utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.