Ex-NFL é condenado a 14 anos de prisão por crimes sexuais, diz TV

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

04/03/2021 10h05 — em Esportes

SÃO PAULO, SP (UOL-FOLHAPRESS) - O ex-jogador da NFL Kellen Winslow II foi condenado a 14 anos de prisão por múltiplos crimes sexuais contra cinco mulheres na Califórnia, de acordo com as informações da KFMB-TV, de San Diego. Entre as vítimas de estupro estavam uma garota inconsciente de 17 anos e uma moradora de rua.

Winslow, de 37 anos, foi descrito pelo juiz Blaine Bowman, do tribunal do condado de San Diego, como um "predador sexual", afirmando que o ex-atleta optava por mulheres vulneráveis, seja pela idade ou pela condição social, com a ideia de conseguir sair ileso de qualquer crime.

Ele foi condenado por estupro forçado, estupro de uma pessoa inconsciente, agressão com a intenção de cometer estupro, exposição indecente e conduta obscena em público.

Sua defesa alegou que as pancadas sofridas na cabeça de Winslow durante toda sua trajetória no esporte o transformaram de um atleta em predador sexual.

Winslow foi preso em 2018 e poderia ser condenado à prisão perpétua, mas se declarou culpado em 2019 e acabou recebendo a pena máxima para quem admite ter cometido os crimes.

Kellen Winslow carrega o nome do pai, que foi ídolo do San Diego Chargers e está no Hall da Fama do futebol americano.

Ele foi uma escolha de primeira rodada no draft de 2004, sendo selecionado pelo Cleveland Browns como o sexto nome no geral, a melhor posição de um tight end em 30 anos. Winslow ficou quatro anos na franquia, sendo escolhido uma vez para o Pro Bowl, o jogo das estrelas da liga, e depois defendeu o Tampa Bay Buccaneers por três temporadas. Por fim, passou por Seattle Seahawks, New England Patriots e New York Jets.

O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Esportes