Vagas de trabalho temporário para o Natal devem atingir maior nível em oito anos, diz CNC

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

24/09/2021 19h05 — em Economia

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - As vendas de Natal no varejo brasileiro devem gerar a contratação de 94,2 mil trabalhadores temporários em 2021, aponta estimativa divulgada nesta sexta-feira (24) pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo).

Se a projeção for confirmada, o número será o maior em oito anos. Ou seja, desde o Natal de 2013, quando o varejo abriu 115,5 mil postos de trabalho temporário.

A CNC relaciona o aumento na demanda por mão de obra a uma previsão de alta nas vendas de 3,8%, em termos reais, frente ao ano passado. Um dos estímulos aos negócios em 2021 é o avanço da vacinação contra a Covid-19, que permitiu restrições menores a atividades econômicas.

"A despeito do patamar elevado da inflação e do encarecimento do crédito às famílias, o avanço no combate à pandemia por meio da ampliação da vacinação tem garantido o aumento da circulação dos consumidores nos estabelecimentos comerciais e, consequentemente, avanços sucessivos nas vendas desde o retrocesso da segunda onda da pandemia a partir de abril deste ano", diz a entidade.

Os maiores volumes de contratações devem ocorrer nos ramos de vestuário (57,91 mil) e de hipermercados e supermercados (18,99 mil). Entre os 10 segmentos do varejo, as lojas de vestuário, acessórios e calçados são, historicamente, as mais impactadas pelas vendas natalinas.

Conforme a CNC, São Paulo (25,55 mil), Minas Gerais (10,67 mil), Rio de Janeiro (7,63 mil) e Paraná (7,19 mil) devem concentrar mais da metade (54%) da oferta de vagas de trabalho temporário para o Natal.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Economia