Trabalhador rural cultiva alimento, mas não pode pagar refeição, diz agência da ONU

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

23/09/2021 13h36 — em Economia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Ifad (Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola), agência das Nações Unidas que atua em temas como segurança alimentar e pobreza em países em desenvolvimento, divulga nesta semana um relatório que aponta que os pequenos agricultores são responsáveis por produzir de 30% a 80% dos alimentos pelo mundo, mas recebem apenas 6,5% dos preços de supermercado, enquanto o maior lucro fica com distribuidoras, fabricantes e varejistas.

São considerados pequenos agricultores os produtores que trabalham em fazendas de até dois hectares.

Gilbert Houngbo, presidente do Ifad, disse nesta quinta (23), na sede da agência, em Roma, que é uma ninharia o salário recebido por esses trabalhadores rurais​, que cultivam grande parte da comida mas não podem pagar por uma alimentação saudável para suas próprias famílias.

A fala de Houngbo acontece na esteira do evento Food Systems Summit, realizado pela ONU, em Nova York, em que líderes globais discutem temas como a segurança alimentar, agricultura e meio ambiente, presidido por António-Guterres, secretário-geral das Nações Unidas.

O presidente do Ifad direcionou sua fala aos participantes do Summit, enfatizando que a pobreza e a fome são os principais motores de migração, conflito e instabilidade.

Pequenas e médias empresas alimentares são responsáveis por 25% dos empregos em zonas rurais e 21% nas áreas urbanas, contratando, majoritariamente, mulheres e jovens, conforme os dados do relatório, cujos cálculos também apontam que, mundialmente, 3 bilhões de pessoas vivem em aproximadamente 500 milhões de fazendas de pequena escala em países de renda baixa e média.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Economia