Sem LinkedIn na China, headhunters vão retomar técnicas do passado

Por Folha de São Paulo / Portal do Holanda

17/10/2021 15h33 — em Economia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A desativação do LinkedIn na China, anunciada pela Microsoft na semana passada, vai ter reflexos no trabalho das empresas de recrutamento brasileiras que usam a rede social como ferramenta.

A plataforma era acessada para mapear mercados em regiões de alto interesse corporativo como Xangai e Pequim, segundo Isis Borges, diretora do Talenses Group.

“Via LinkedIn, descobrimos como as empresas de lá são organizadas, onde estão e o porte delas”, afirma.

Além de ajudar os headhunters a compreender o perfil das companhias locais, a rede também facilitava o contato direto com profissionais estrangeiros e chineses no país. “Vamos voltar para a velha técnica de fazer ligações e pedidos de indicações”, diz Borges.

Por outro lado, ela prevê que a mudança ajude a valorizar o trabalho dos recrutadores, uma vez que, sem o LinkedIn, os profissionais têm o networking construído longo da carreira.


O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

+ Economia