Compartilhe este texto

Presidente do PT ataca Campos Neto e diz que autonomia ampla do BC é 'ditadura monetária'

Por Folha de São Paulo

03/03/2024 15h00 — em
Economia


Foto: Lula Marques/ Agência PT

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A PEC (proposta de emenda à Constituição) que dá autonomia ampla para o BC (Banco Central) quer "submeter o Brasil a uma ditadura monetária", criticou a presidente do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Ela fez a avaliação em seu perfil na rede social X, o antigo Twitter, ao comentar a entrevista do presidente do BC, Roberto Campos Neto, à Folha de S.Paulo, na qual ele defende a medida.

De acordo com Campos Neto, o assunto foi tema de reunião na semana passada entre ele e o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Para o presidente do BC, a independência total do BC "é um passo no sentido de aprimorar o arcabouço de autonomia" da instituição.

A deputada reconheceu a parada da economia na reta final de 2023, quando o PIB (Produto Interno Bruto) apresentou resultado de 0% por dois trimestres seguidos. Apesar disso, o ano fechou com crescimento acumulado de 2,9%. Segundo ela, o BC é um dos culpados.

"Os juros exorbitantes do BC derrubaram os investimentos e estagnaram o crescimento no segundo semestre", afirmou a deputada.

"É uma política monetária que segue ameaçando o país, mas a gente não vê uma linha de crítica na mídia sobre isso. Ao contrário, Folha dá espaço hoje para o Campos Neto defender ainda mais autonomia para o BC", escreveu Gleisi.

Para a presidente do PT, Campos Neto "segue defendendo taxa de juros acima da realidade, contenção do crédito e ainda aponta os salários melhores como risco".

O deputado federal Lindbergh Farias (PT-RJ) foi outro parlamentar petista a criticar a proposta. De acordo com ele, a PEC leva a "uma radicalização da autonomia" da instituição.

O congressista atacou a medida articulada pelo presidente do BC, que, segundo Farias, "articulou [o texto] silenciosamente direto com o Senado".

"É natural que o governo se oponha até pela forma como essa PEC foi construída. O governo nunca foi consultado", afirmou Farias.

Na conversa com Haddad, na sexta-feira (1º), Campos Neto tratou da PEC que é debatida no Senado. "Eu tentei dar conforto para ele, que o BC tem flexibilidade, que a gente pode discutir, que nada vai ser feito à revelia", disse.

Segundo ele, mais de 90% dos bancos centrais do mundo com autonomia operacional contam com autonomia financeira. Segundo Campos Neto, é preciso entender o que incomoda o governo na discussão da PEC.

"Temos muito espaço de manobra para acertar isso. A PEC é um início de debate, um esqueleto, que pode ser aprimorada, mudada", disse Campos Neto.

"O primeiro desenho da PEC foi uma coisa pensada no BC. O Banco Central, o Senado, e o próprio senador [relator] Plínio Valério (PSDB-AM) estão dispostos a sentar com o governo. A nossa ideia é ter um texto que o governo apoie, que o Senado entenda que é um texto bom, e que seja bom para o Banco Central", afirmou o presidente da autoridade monetária.

Apesar das críticas dos petistas, Campos Neto disse à Folha que está otimista com a economia.

"A evidência que a gente tem até agora é que o primeiro trimestre deve ter um PIB maior, inclusive as casas [do mercado] têm revisado o crescimento de 2024 para cima", disse.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia