Siga o Portal do Holanda

Economia

Precisamos pensar nas consequências das tecnologias, diz CEO da Microsoft

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em um mundo em franca revolução digital, em particular com a expansão de tecnologias de IA (inteligência artificial), é necessário transparência, segurança e compromisso com privacidade para garantir a confiança do público —algo que precisa ser conquistado dia após dia.

A avaliação é de Satya Nadella, CEO da Microsoft, feita nesta terça-feira (12) durante a abertura do evento AI+Tour, em São Paulo.

A IA, tema do evento desta terça, se refere ao uso de mecanismos ou programas de computador para tentar imitar a inteligência humana. O reconhecimento facial é uma de suas aplicações, que também incluem, entre outras, carros que se dirigem sozinhos, recomendações de filmes e detecção de doenças.

"Precisamos entender as consequências não intencionais do uso de tecnologias conforme elas são usadas mais amplamente", afirmou o executivo.

Entre as potenciais consequências nefastas do uso da tecnologia está o vazamento de dados pessoais.

Nadella avaliou positivamente a legislação brasileira em relação à garantia de privacidade.

"O Brasil está à frente para garantir a privacidade como direito humano."

O ex-presidente Michel Temer (MDB) sancionou em 2018 a Lei Geral de Proteção de Dados, que regula como empresas do setor público e privado devem tratar as informações pessoais que coleta dos cidadãos.

O CEO da Microsoft citou como bom exemplo um hospital paulistano que usa sistemas de inteligência artificial ligados às câmeras de segurança para detectar quando um paciente pode cair. Nesses casos, alertas são disparados às equipes de enfermagem para que possam auxiliar rapidamente ou evitar o acidente. "Eles agem a fim de garantir que os dados coletados sejam apenas de eventuais quedas", ressaltou.

Em relação à segurança, Nadella defendeu uma equivalente da convenção de Genebra (tratados internacionais que definem direitos e deveres de pessoas em tempo de guerra) para a cibersegurança. Ele já havia dado declaração semelhante ao jornal Wall Street Journal, em entrevista publicada no dia 1º.

No último dia 4, Satya Nadella completou cinco anos à frente da gigante de tecnologia. Sob o comando do indiano, a empresa voltou a ser a empresa mais valiosa do mundo, posto que havia ocupado pela última vez em 2002 —depois do retorno, foi superada pela Amazon.

No campo da IA, a Microsoft já vinha encampando um tratamento responsável da área e maior regulamentação —em particular em relação ao reconhecimento facial.

O presidente da empresa, Brad Smith, publicou artigos no ano passado defendendo a regulamentação governamental e de medidas responsáveis do setor em relação ao reconhecimento facial.

"É importante que os governos comecem a adotar leis para regulamentar essa tecnologia [reconhecimento facial] em 2019", escreveu em dezembro. "Se não agirmos, corremos o risco de acordar daqui a cinco anos para descobrir que os serviços de reconhecimento facial se espalharam de formas que exacerbam os problemas da sociedade."

Segundo Smith, regras impostas pelo governo seriam importantes para impedir uma "corrida comercial até as últimas consequências" entre as empresas de tecnologia. Ele fez, no entanto, a ressalva de que o setor tem responsabilidade de também criar salvaguardas —e não ficar apenas esperando uma ação do Estado.

Ministro finge para bancada do Amazonas, mas joga duro no plenário do STF contra ZFM

-

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.

HORAH do H ENTREVISTA: GHISA BENCHIMOL, EMPREENDEDORISMO QUÂNTICO E TERAPEUTA HOLÍSTICA

 Siga o Holanda

Amazonas

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.