Siga o Portal do Holanda

Economia

Partido de Bolsonaro tem ego de nível intelectual sofrível, diz investidor

Publicado

em

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - As incertezas que o país vive em torno da reforma da Previdência e das declarações do presidente Jair Bolsonaro prejudicam o setor produtivo e preocupam o empresariado, além de colocar os investidores estrangeiros em compasso de espera.

Mas o Brasil ainda não saiu do radar, de acordo com o hoje investidor Lawrence Pih.

“Lá fora eles [investidores] nunca descartam um país. Estamos na expectativa, mas não se esperam grandes investimentos sem que haja estabilidade e previsibilidade”, afirma Pih, que vendeu o Moinho Pacífico, um dos maiores processadores de trigo do país, para a Bunge em 2015. “Como investidor com capital, estou aguardando oportunidades no Brasil e no mundo. No Brasil, só depois do quadro político e econômico se estabilizarem. Por enquanto não há condições de investir aqui.”

Pih avalia o vice-presidente Hamilton Mourão como uma pessoa equilibrada e com qualificações, mas diz que o empresariado ainda não trabalha com um cenário firme de substituição de Bolsonaro, apesar da presença do vice em eventos com presidentes de empresas na última semana.

Por ora, o que os empresários buscam, na opinião de Pih, é ouvir alguém que está no centro do poder.

“Você conhece algum empresário que não tenha um plano B? Eu não”, afirma.



PERGUNTA: Como o senhor avalia esse início de governo? 

PIH: Vamos voltar nosso relógio para a época da eleição. Bolsonaro foi eleito com 39% dos votos. Uma quantidade não desprezível eram votos não a favor, mas contra o candidato do PT. Na primeira pesquisa [de opinião], a aprovação dele caiu 15 pontos no Ibope.

Eles conceituam o governo entre política nova e velha, defendem que tudo o que é política velha tem de ser erradicado. Eu concordo que há muitas falhas, mas é um fato histórico, não apareceu ontem. Sempre foi assim.



Mas ele próprio participou da política velha. 

PIH: [Ele está há] 27 anos no Congresso. Deveria entender quão difícil é implementar uma mudança tão radical em uma estrutura tão enraizada no fisiologismo e agendas próprias dos políticos.



Se não fizer isso ele vai manter economia travada? 

PIH:Tudo travado. Estamos a um passo do abismo.



E o que é esse abismo? Descrédito? 

PIH: Esse abismo é o colapso total da economia. Não é só descrédito. Estamos em um mundo em transição. A economia mundial está em declínio acelerado.

O Japão é um caso perdido. Europa vem desacelerando significativamente no último ano. Nos EUA, os economistas preveem uma possível recessão. A China vem desacelerando num ritmo assustador.

E para nós, quando o primeiro mundo tem um resfriado, a gente pega pneumonia. A desaceleração da China significa uma queda brutal de exportações do Brasil. Hoje o Brasil só tem um pilar macroeconômico sólido: as nossas reservas externas, que estão em US$ 382 bilhões.



O presidente é um mau estrategista? 

PIH: Eu não entendi até hoje. Acompanho todos os tuítes dele e eu não consegui ainda definir exatamente qual é a estratégia do presidente Bolsonaro. [Base de] Alcântara, Bolívia, Venezuela, são assuntos importantes, mas secundários perante o desafio do país neste momento.



O que um investidor que está lá fora pensa quando vê esse tipo de coisa? 

PIH: O investidor sempre procura onde é a melhor oportunidade. E o que o investidor do exterior quer é estabilidade, previsibilidade e boa governança. Como investidor com capital, estou aguardando oportunidades no Brasil e no mundo. No Brasil, só depois do quadro político e econômico se estabilizarem. Por enquanto não há condições de investir aqui.



A conclusão ainda é a de que não se pode ter certeza? Não é ainda a de que não vai dar certo? É isso?  

PIH: Lá fora eles [investidores] nunca descartam um país. Estamos na expectativa, mas não se esperam grandes investimentos sem que haja estabilidade e previsibilidade.



O investidor já começa a olhar para outros países como alternativa?

PIH: Sim. Agora, não podemos esquecer que estamos falando em um contexto de desaceleração mundial. Então a vontade de investir já é menor. Com essa turbulência aqui no Brasil, fica mais difícil. O mercado brasileiro está dando muito peso para a reforma da Previdência.



Esse peso dado à reforma é exagerado? 

PIH: Mesmo se ocorrer a reforma da Previdência, não vai resolver o problema. Não é uma bala de prata. Estão dando um peso muito além do que essa reforma pode proporcionar em termos de elevar a economia para poder levar a um crescimento sustentável.



A renovação do Congresso era outra esperança do empresariado?

PIH: Sim. Muitos diziam que Bolsonaro iria revolucionar a maneira de fazer política no Brasil e enquadrar o Congresso.



E o que o senhor diz? 

PIH: Eu dizia que nessa renovação cresceu o PSL, um partido que não é um partido, mas um aglomerado de egos com nível intelectual sofrível. O presidente da Câmara encarna a essência da política velha. O do Senado é um ilustre desconhecido. A que ponto chegou o país? O que você espera que pode mudar no Congresso? Não mudou absolutamente nada. O nível moral e ético está no mesmo lugar em que estava antes. O poder do Congresso é enorme e pode inviabilizar um governo. E o número mágico é 342, que são os votos necessários para um impeachment.



E o que seria a base para impeachment? 

PIH: Não tem base nenhuma hoje. Mas afastaram Dilma por pedalada, que evidentemente é uma irregularidade, e ninguém nega isso. Mas dependeu muito mais do que está acontecendo com o país, que foi ladeira abaixo, do que pelo ato em si da pedalada.



E o Mourão? Andou visitando empresários...

PIH: Eu chamo ele de “primeiro bombeiro da República”. Evidentemente, o setor privado está preocupado. Não conheço Mourão, mas ele me parece uma pessoa equilibrada e moderada. É difícil prever o que vai acontecer.



A essa altura do governo já estamos falando nas qualificações do vice-presidente para assumir o cargo?

PIH: Não para assumir cargo. Só estamos falando das qualificações dele.



É simbólico que o vice-presidente esteja visitando o empresariado? Michel Temer fez esse movimento lá atrás, não?

PIH: Você conhece algum empresário que não tenha um plano B? Eu não. O país passa por uma dificuldade grande, estamos vendo um governo que está com dificuldade de implementar as medidas necessárias para o país e os empresários evidentemente gostariam de ouvir o vice-presidente que está no centro do poder. Essa turbulência toda evidentemente está prejudicando o setor empresarial.

A greve perto fim, mas quem está resolvendo a 'bronca' não é o governador

-

Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos, artes e vídeos do Portal do Holanda estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral.



HORA do H ENTREVISTA: DRA. DENISE CORRÊA NUNES, MÉDICA PEDIATRA

Amazonas

Copyright © 2006-2019 Portal do Holanda.