Compartilhe este texto

Não vamos a Brasília dialogar, mas nos defender, diz Haddad em meio a derrotas no Congresso

Por Folha de São Paulo

15/06/2024 12h15 — em
Economia



SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em meio a derrotas do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Congresso, o ministro Fernando Haddad (Fazenda) disse que não há diálogo em Brasília, o que leva o governo a ter que se defender das questões movidas pelo Legislativo.

"Quando vamos para Brasília, não dialogamos com o serviço público propriamente dito. Vamos nos defender do que está acontecendo. A todo momento você fica apreensivo. Que lei vão aprovar? O que vamos fazer? Que maluquice é essa? O que estão falando? Por que não se dedicam a coisas sérias que vão mudar a vida das pessoas? Para quê essa espuma toda? Para criar cizânia na sociedade?", afirmou durante evento em São Paulo neste sábado (15).

Na última semana, o Congresso recusou uma MP (medida provisória) do governo que diminuiria créditos fiscais, elevando o pagamento de impostos por parte de empresas, de modo a compensar a desoneração concedida a 17 setores da economia. Entre eles está o de comunicação. Também são contemplados os segmentos de calçados, call center, confecção e vestuário, construção civil, entre outros.

A derrubada da MP é um entrave no plano de ajuste fiscal de Haddad via aumento na arrecadação. Agora, o governo trabalha em alternativas para cortar gastos, como a revisão de gastos com determinados benefícios previdenciários e a flexibilização das despesas mínimas com saúde e educação.

Em outra derrota da articulação política do governo, os parlamentares derrubaram o veto de Lula a trecho da lei que acaba com as saídas temporárias de presos e aprovaram um requerimento de urgência da PL Antiaborto por Estupro.

Ao comentar sobre a vida como ministro, Haddad diz que os momentos difíceis têm um lado positivo, pois mostram quem são seus verdadeiros aliados.

"Eu gosto da hora dura. Ela depura. Muitas vezes, você começa a perder a noção de quem gosta de você e de quem está te bajulando. Na hora dura, só aparece quem gosta de você. Só aparece o seu amigo de fé", disse.

Segundo o ministro, seus dois filhos ligam para ele quase que diariamente para se certificarem que ele está bem.

"Quando eles leem um negócio que está espirrando do lado do ministro Haddad, eles passam a mão no telefone e [ligam] no dia: 'Está tudo bem? Você está bem? Você precisa de alguma coisa?' Isso é muito importante."

Apesar de sua carreira política, Haddad diz ainda considerar sua profissão como professor.

"A sala de aula está sempre ali para mim. Posso voltar para ela daqui um ano, dois anos, dez anos. Voltar para a sala de aula é voltar para casa", disse.

Em meio a críticas de aliados do governo Lula e de membros do PT, a possibilidade de Haddad deixar o governo foi levantada. Na última quarta (12), porém, os líderes do governo no Congresso, senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP), e no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), defenderam o ministro da Fazenda e afirmaram que ele está firme no cargo.

Lula, em viagem à Europa, defendeu o ministro e neste sábado afirmou que ele "jamais ficará enfraquecido" enquanto for presidente.

Em meio à percepção de enfraquecimento político de Haddad e aumento na percepção do risco fiscal brasileiro, o dólar superou os R$ 5,40 na última semana.

Em relação à economia brasileira, o ministro afirmou neste sábado que o país deve aproveitar o momento de incentivo aos investimentos verdes.

"Estamos em um contexto internacional muito desafiador, mas esses momentos desafiadores é que são, às vezes, a janela que se precisa para despontar com uma liderança. E o Brasil pode liderar processos muito significativos", disse Haddad.

Segundo o ministro, o país precisa deixar sua cadeira produtiva mais sustentável para poder se defender do protecionismo estrangeiro.

"Nós estamos recuperando o pasto degradado para produzir carne? Para produzir soja? Os nossos fertilizantes são biofertilizantes? Os nossos defensivos agrícolas são biodefensivos? Essas perguntas estão sendo feitas no mundo. E é assim que, por esperteza ou não, não vem ao caso, que o mundo desenvolvido vai se proteger das exportações brasileiras."

Esses questionamentos travaram o acordo comercial entre União Europeia e Mercosul. O presidente da França, Emmanuel Macron se disse contrário ao tratado por ele não incorporar questões de clima, descarbonização e biodiversidade. Neste sábado, no entanto, Lula disse que o acordo está pronto para ser assinado.

"[Se não aproveitarmos [o movimento verde], o mundo vai acabar superando as nossas vantagens naturais com tecnologia", disse Haddad.


Siga-nos no
O Portal do Holanda foi fundado em 14 de novembro de 2005. Primeiramente com uma coluna, que levou o nome de seu fundador, o jornalista Raimundo de Holanda. Depois passou para Blog do Holanda e por último Portal do Holanda. Foi um dos primeiros sítios de internet no Estado do Amazonas. É auditado pelo IVC e ComScore.

ASSUNTOS: Economia

+ Economia